Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(390)Você está em:
  • Home »
    • Câmara em ação
      • » Opinião

Opinião

Selecione datas para filtrar: a OK
A esquerda dos artistas 11/12/2017

O que é e para onde vai a esquerda no Brasil? A pergunta se faz pertinente por conta do midiático posicionamento de cantores, compositores, atrizes (Carlos Vereza, o grande ator, é uma das exceções), que, se dizendo de esquerda, fazem loas a Lula e Dilma, perorando contra o golpe desferido pela direita que colocou no poder um golpista e animando plateias a levantar placas “Fora Temer”. A era petista levou o Brasil à maior recessão econômica de sua história, maior até que a Grande Depressão de 1929. Alguns dos artistas que fazem barulho, porém,  continuam a sonhar com a volta de Lula, enxergando nele a “Salvação da Pátria”. Afinal, que esquerda é essa?

Primeiro, vale lembrar que a esquerda frequenta mais a boca de artistas que o aparelho fonador de políticos. É fato que o PT continua a desfraldar a bandeira do socialismo, mas perdeu vigor nessa toada, a partir do momento em que entrou no pelotão da bandalheira, objeto de operações que se iniciaram no mensalão (Ação Penal 470) e continuam hoje na Lava Jato. O espaço de esquerda passou a ser ocupado pelo PSOL, cujo discurso se afina ao surrado refrão da luta de classes e combate mortal ao capitalismo. Os dogmas socialistas tornaram-se verbetes com serventia de graxa para ilustrar perfis corroídos. Ser de esquerda é charme para certos artistas. Mas a esquerda já não incorpora o escopo do socialismo clássico marxista sobre a formação do capitalismo e a previsão de sua catastrófica evolução.

A “violência como parteira da História”, dogma apregoado por Engels, tentou fa­zer escola entre nós, nos idos de 1960, mas foi repelida pela ditadura militar. A redemocratização do País abriu espaço para outras áreas no canto esquerdo do arco ideológico. Nas últimas três décadas, formou-se nova argamassa para ajustar estacas do alquebrado socialismo revolucionário com ti­jolos do liberalismo político e econômico. Fixaram-se outras posições, como o porte e a ação do Estado, chegando-se ao meio termo: nem Estado mínimo nem Estado máximo, mas um ente de tamanho adequado. Agregaram-se expressões como “capitalismo de face humana”, “socialismo de feição liberal”. A intervenção do Estado no mercado chegou até a gerar designação própria para a situação da China – capitalismo de Estado.

Socialdemocracia

O fato é que a meta do sistema é convergir a eficiência econô­mica com o bem-estar social, ao que se deu o nome de socialdemocracia. Essa marca chegou ao Brasil em fins dos anos 1980, endossada inicialmente pelo PSDB num texto de seus ideólogos, Os desafios do Brasil. Por tentativa e erro, nosso arremedo socialdemocrata entrou no terceiro milênio, ganhou o centro do po­der e foi acusado de se curvar ao Consenso de Washington. De onde partiu a crítica? Do PT e seus satélites. De tanto bater, as “esquerdas” alcançaram a alforria e chegaram ao Palácio do Planal­to em 2003 com a eleição de Lula. Mas dom Luiz I e Único (o título tem a ver com o discurso de que foi o primeiro a fazer isso e aquilo), nunca abandonou as linhas gerais da política neoliberal. 

Com o “mensalão”, soçobraram as pilastras leninistas e o teto marxista. As bandeiras vermelhas do petismo ficaram borradas de lama e de vergonha. Depois, apareceu a operação “amaldiçoada” por grandes, médios e pequenos partidos, a Lava Jato. Muitos atores se nivelaram na sujeira da corrupção. Foram presos ou ainda estão dirigentes do PT e de outros partidos, ex-ministros, mandatários de todos os quilates. Sob o lamaçal, que matiz de esquerda se pode distinguir? Apenas traços indistintos e pequenos sinais de uma ou outra sigla nanica de entonação trotskista. O PSOL está bem na fita. Até o PC do B escapa da modelagem esquerdista. O que existe é um espaço acomodando praticamente grandes e médias entidades, cuja pregação socialdemocrata abriga questões como liberdade política, controle social, intervenção do mercado, organização da sociedade civil e até continuidade ou não das estatais.

Artistas fecham os olhos

O ciclo Dilma jogou o país no profundo buraco da recessão e do desemprego, selando o fim de refrãos socialistas. CUT e MST ainda tentam elevar ao alto suas bandeiras, mas se frustram com plateias escassas. No momento em que o Brasil alcança uma Selic de 7%, o menor juro da história, uma inflação abaixo dos 3% anuais, a volta do emprego, o que se vê na paisagem? A tentativa de alguns de transformar o verso em reverso. E o engodo grassa. Lula propaga que belos foram os tempos em que ele e Dilma fizeram do Brasil um paraíso. Os artistas entoam esse hino. Berram surrados slogans publicitários e execram as reformas que cortam as amarras do país ao passado.

Por que a classe artística glorifica o ciclo lulopetista? Primeiro, ser esquerdista parece charmoso para muitos. Segundo, Lula é o ícone da dinâmica social no Brasil, condição que serve para encobrir a lama do mensalão e de escândalos que enfrenta na justiça. Já Dilma “foi apeada do poder por um golpe”, tendo assumido um “vice” que nunca teve um voto, esquecendo que ele obteve o mesmo número de votos da ex-presidente. Persistem na alma de uns e outros traços da cultura pré Muro de Berlim: contrariedade em relação ao que se identifica com EUA,  capitalismo, iniciativa privada e simpatia em relação aos símbolos do velho socialismo, como Cuba e Venezuela. Nem mesmo o chefão russo Putin merece hoje consideração, enquanto o socialismo à moda chinesa parece uma excrescência.

Afinal, o PT ainda é de esquerda? Vejamos. A partir dos anos 70 a 80, os partidos socialdemocratas passaram a incorpo­rar princípios neoliberais, puxando a ideologia dominante da União Europeia. A doutrina socialdemocrata ganhou contornos na esteira da globalização. Siglas mudaram, trans­formando suas bases trabalhadoras em classes médias, mais conservadoras e com maior acesso ao capital financeiro. Angela Merkel, na Ale­manha, por exemplo, deu efetiva contribuição para moldar a socialdemocracia com a solda neoliberal. O Brasil ingressou na rota. A alternativa que restou ao PT foi a de aderir ao figurino. Importantes figuras do nosso universo artístico, porém, teimam em fechar os olhos à nova realidade, apostando na tese de que bom, mesmo, era o Brasil que até ontem respirava por aparelhos.

Gaudêncio Torquatojornalista, professor titular da USP, é consultor político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato

Ar-13-04-11-gt-280

Gaudêncio Torquato (Foto: Divulgação)



Últimas

2017/12/11 » A esquerda dos artistas
2017/11/27 » Rejeição à política tradicional
2017/11/21 » Um deserto de ideias
2017/11/13 » As duas imagens do Brasil
2017/11/06 » Polarização dará o tom
2017/10/30 » Os perigos de outsiders
2017/10/23 » Governos na quarta marcha
2017/10/09 » Avulsos e a democracia representativa
2017/10/02 » Si vis pacem, para bellum
2017/09/25 » A massas, Lula e Bolsonaro
2017/09/18 » Tentando ver além das nuvens
2017/09/11 » Lambança delatória
2017/09/05 » Oração pela pátria
2017/08/28 » Reforma política? Meia boca
2017/08/21 » O combate ao poder invisível
2017/08/14 » Revoada na floresta tucana
2017/08/07 » A imagem negativa do governo
2017/08/01 » As chances de Bolsonaro e Lula
2017/08/01 » Ausência na educação
2017/07/24 » A saída para a crise

Ver mais »