Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(390)Você está em:
  • Home »
    • Câmara em ação
      • » Opinião

Opinião

Selecione datas para filtrar: a OK
Primeiras oportunidades 22/02/2017

Há 53 anos, um grupo de empresários e educadores constatou a necessidade da criação de uma instituição que orientasse, promovesse e administrasse a capacitação de jovens para o mercado de trabalho. Sem experiência prática, os estudantes chegavam despreparados nas empresas, sem conhecimentos básicos do dia-dia corporativo, o que dificultava a adaptação. Foi nesse bojo que nasceu o CIEE, entidade filantrópico-assistencial que faz aniversário nesta semana, criada com o objetivo principal de facilitar a inserção de jovens no mundo do trabalho por meio do estágio, e depois, também da aprendizagem.

Durante mais de meio século, o CIEE encaminhou mais de 16 milhões de jovens para o mercado de trabalho. Muitos deles transformaram-se em grandes empresários, CEOs de empresas, gerentes, supervisores, juristas e educadores. Há também aqueles que pegaram gosto pelo serviço público, após estágio em órgãos estatais, e que hoje são importantes representantes do povo na vida pública, como senadores, deputados, prefeitos e vereadores. 

O estágio ou a aprendizagem são pontos de partida essenciais para uma carreira de sucesso. Isso porque os jovens, muitas vezes, saem da universidade apenas com o diploma nas mãos e sem a necessária experiência. Com isso, sentem dificuldade de adequação aos modelos corporativos, desde a apresentação pessoal – uso da vestimenta e linguagem corretas –, à maneira de se comportar em uma reunião ou com o colega de trabalho, as relações interpessoais, a hierarquia ou o trato com o cliente, entre muitos outros temas que não são trabalhados nos bancos escolares.

A partir da capacitação prática, o jovem vivencia essas experiências, transformando-se em um profissional mais completo e qualificado. Terá, então, grande chance de ser efetivado na mesma empresa – já que 64% dos estagiários são contratados. Aqueles que não forem aproveitados, por falta de vagas, terão um currículo atraente para o mercado, facilitando a obtenção de uma nova chance.

Durante esses 53 anos, o CIEE não parou de crescer e aumentar oportunidades aos jovens. Hoje está em todos os estados do país, com unidades e postos em mais de 350 cidades. Os serviços gratuitos também multiplicaram-se: educação à distância, alfabetização e suplência para jovens e adultos, auxílio à empregabilidade da pessoa com deficiência, formação profissional pelo Aprendiz Legal – em parceria com a Fundação Roberto Marinho –¬, postos volantes de atendimento nas periferias e áreas de vulnerabilidade social, seminários sobre drogas, entre muitos outros.

Apesar de a casinha no tradicional bairro do Bexiga, onde iniciou seus trabalhos em São Paulo, ter se transformado em uma sólida estrutura de apoio à inclusão do jovem, os objetivos do CIEE seguem intactos e o sucesso vem sendo demonstrado em cada sorriso de quem consegue sua primeira oportunidade no mercado de trabalho.

Luiz Gonzaga Bertelli é presidente do Conselho de Administração do CIEE, do Conselho Diretor do CIEE Nacional e da Academia Paulista de História (APH).

Luiz Gonzaga Bertelli (Foto: Divulgação)



Últimas

2018/04/23 » A fadiga democrática
2018/04/16 » O uso dos nomes em vão
2018/04/16 » Riscos e desafios do sistema sindical
2018/04/09 » Longe da Pátria
2018/04/02 » A nova policromia social
2018/03/26 » Crônica da barbárie
2018/03/19 » O povo não é uma abstração
2018/02/26 » Os perfis mais desejados
2018/02/19 » A dispersão do centro social
2018/02/05 » O dandismo na campanha
2018/01/22 » As leis no lixo
2018/01/15 » Os candidatos e suas circunstâncias
2017/12/18 » A política voltando ao leito
2017/12/11 » A esquerda dos artistas
2017/11/27 » Rejeição à política tradicional
2017/11/21 » Um deserto de ideias
2017/11/13 » As duas imagens do Brasil
2017/11/06 » Polarização dará o tom
2017/10/30 » Os perigos de outsiders
2017/10/23 » Governos na quarta marcha

Ver mais »