Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(390)Você está em:
  • Home »
    • Câmara em ação
      • » Opinião

Opinião

Selecione datas para filtrar: a OK
O dandismo na campanha 05/02/2018

O mestre Baudelaire dizia: “creio que existe na ação política certa dose de provocação”. Os dândis querem provocar, criar impacto. 

Os climas político-eleitorais puxam bordões, refrãos, chavões e abordagens, todos centrados na ideia de dar respostas satisfatórias às demandas sociais. Bengala de apoio a candidatos e partidos, as receitas procuram chamar a atenção dos eleitores, razão pela qual se esforçam para apresentar um diferencial na expressão.

São frequentes, no desfile dos modismos, formas extravagantes de apresentação, trejeitos, esquisitices e coisas obtusas. Costuma-se designar esse território de dandismo, significando o “prazer de espantar”. Dândis praticam a arte de surpreender.  O mestre Baudelaire dizia:“creio que existe na ação política certa dose de provocação, por ser preciso suscitar uma reação”. Os dândis querem provocar, criar impacto. E caem no exagero, fazendo da estética sua ação política.

Lembrando o passado: Lula desfilou com um isopor na cabeça quando descansava numa praia baiana; Fernando Henrique, em 1994, montou num cavalo no interior de Pernambuco e se esbaldou comendo buchada de bode. Quando senador, Suplicy desfilou nos corredores do Senado com um curto short vermelho oferecido a ele por Sabrina Sato. Quem não se lembra das palhaçadas de campanha de Tiririca? 

A campanha deste ano, na esteira da crise que afasta o eleitorado da política, será um prato cheio para os dândis. Que pretendem criar um diferencial de imagem. Excessos serão tolerados, aceitos ou menosprezados pelos eleitores? É possível que, face à indignação que permeia grupos contrariados com os escândalos que queimam os últimos estoques de imagem dos políticos, alguns até prefiram votar no macaco Tião ou na macaca Chita. Mas a hipótese razoável é a de que o eleitor não quer perder o voto. 

A tendência será a de escolher o candidato que tenha algo novo a dizer, coisas críveis e factíveis. Já não se aceitam promessas mirabolantes. A estripulia circense está com os dias contados. O desejo do eleitor aponta para perfis não contaminados com o vírus da mesmice, gente nova – não apenas na idade – que agregue experiência profissional ao campo devastado da política. 

Aparecer a qualquer custo, participar de encenação farsesca, seriam atos desprezados pelos eleitores. O nivelamento por baixo é costume antigo, mas desta feita, ameaça não prosperar. Mesmo sabendo que a planilha de candidatos deve abrigar um grupo de incultos e bárbaros. 

Mas haverá espaço para a brabeza, palavras duras, críticas severas, murros na mesa. Quem conterá o estilo tonitruante de Ciro Gomes? Não se espere palavra doce de Bolsonaro. A índole pacífica de Geraldo Alckmin deverá, nas curvas da campanha, deslizar para uma tirada mais raivosa. E mesmo o jeito de freira de Marina Silva pode ceder lugar ao modo guerreiro de Joana D´Arc. E se Lula conseguir ser candidato e aparecer carregando uma cruz? 

Gaudêncio Torquatojornalista, professor titular da USP, é consultor político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato

Ar-13-04-11-gt-280

Gaudêncio Torquato (Foto: Divulgação)



Últimas

2018/12/10 » O bombardeio sobre o Supremo
2018/12/03 » O nosso habitat ideológico
2018/11/19 » Tempos de prevenção
2018/11/12 » Militares de volta à cena Política
2018/11/05 » A velha guerra verbal do PT
2018/10/29 » O governo Bolsonaro
2018/10/26 » O comportamento contraditório e a boa-fé
2018/10/15 » O trunfo é paus
2018/10/01 » Ingovernabilidade à vista
2018/09/17 » Eleições e visões de Estado
2018/09/10 » Mais emoção ou mais razão?
2018/09/03 » Pedras sobre o Judiciário
2018/08/29 » Os três tipos de campanha
2018/08/20 » Os caminhos da eleição
2018/08/13 » À direita, volver
2018/08/06 » Um país dividido
2018/07/30 » Quem é o vice?
2018/07/23 » O enigma Bolsonaro
2018/07/16 » A ameaça do "não voto"
2018/07/02 » Os dândis do futebol

Ver mais »