Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(427)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias da Câmara

Notícias da Câmara

Selecione datas para filtrar: a OK
Neopopulismo no Brasil 08/08/2005

O fantasma de um novo populismo ameaça dar as caras nos planaltos e planícies da América Latina. A preocupação foi manifestada num Seminário Internacional de Economia realizado recentemente no Rio de Janeiro e teve como motivo os oito pleitos presidenciais na região, entre dezembro deste ano e outubro de 2006, quando se realiza nossa eleição. O Brasil, ao lado de México, Argentina, Panamá, El Salvador e Peru, apresenta risco político médio de entrar no mapa neopopulista. Fica entre o alto risco de países como Venezuela, Colômbia, Equador e Bolívia e o baixo risco de Chile, Uruguai e Costa Rica. Os economistas, como seria de esperar, carregaram nas tintas conceituais, puxando o neopopulismo para a esfera exclusiva da economia, esquecendo variáveis cada vez mais escassas nas sociedades ocidentais, como líderes carismáticos e massas sensíveis a apelos demagógicos.

Paira efetivamente sobre o Brasil esta ameaça? Dentro da arquitetura desenhada por economistas para o novo populismo, a resposta é positiva. A janela de oportunidade para a inoculação do vírus contemplaria mudanças drásticas na política econômica, ocasionadas pela intolerância com políticas monetárias conservadoras, restritivas ao crescimento. O novo modelo, acentuado por viés micropopulista, incluiria decisões sobre elevação de salários, alta redução de juros, proteção à indústria nacional e continuidade da incerteza quanto às regras do jogo, entre outras coisas. Tal feixe de idéias, na visão de pessimistas, seria corroborado por maior independência das economias nacionais em relação ao mercado financeiro internacional. Se a tese for correta, a intenção de Lula de fazer ajustes na economia, contemplando cortes nos juros e expansão de gastos em 2006, com o fim de garantir condições para a reeleição, poderá vir a ser a primeira fresta para o vírus neopopulista se manifestar.

O populismo apresenta-se na forma de governar e na política de massas. Integra a estratégia do governante para se aproximar do povo e ouvir suas aflições. A liturgia requer contato emocional com as massas, às quais se prometem soluções fáceis no bojo de programas de cunho assistencialista. A linha populista ampara-se, ainda, na insatisfação popular difusa, sem direção, e na tática deliberada e matreira do governante e de partidos para canalizar o clima social, transformando-o em base de manutenção de força. Foi assim com Getulio Vargas que, estribado na revolta dos trabalhadores urbanos contra a política econômica e social do capital cafeeiro e o regime das oligarquias, fez a Revolução de 30, abrindo o País para o ciclo da industrialização. Vargas costurou o populismo ao nacionalismo. No México, Lázaro Cárdenas, de 1934 a 1940, elevou a bandeira populista ao patamar mais alto pela tentativa de reestruturar a economia com a mágica de fundir os moldes socialista e capitalista. O populismo cardenista comportava diálogo aberto com a burguesia e o proletariado. Mais duro que o caudilho mexicano, Perón, na Argentina, entre 1946 e 1955, cristalizou o conceito de que os interesses dos cidadãos eram os interesses da pátria. Quebrou a autonomia política dos sindicatos, estabelecendo fortes vínculos entre eles e o Estado.

Nesses exemplos clássicos se evidencia a dualidade: vertente popular e carisma do líder formam o cerne do populismo. Ao perfil individual se junta a passividade de massas dependentes do Estado. É verdade que o baixo índice de renovação das elites tradicionais explica o surgimento de lideranças carismáticas no ciclo da personalização da política, que se intensifica a partir dos anos 80. O coronel Chávez é um ícone desse fenômeno. Na Venezuela e em Cuba, os eixos que sustentam o populismo são monumentais, razão por que as imagens de ditador, caudilho ou pai da pátria até ganham aplausos. Veja-se esta última batalha eleitoral de Chávez. Pode-se falar em vitória acachapante quando 75% dos eleitores não compareceram às urnas?

O Brasil é bem diferente. Parte da sociedade depende fortemente do Estado, mas não mantém com ele vínculos de fervor e crença. Difícil imaginar os mais de 50 milhões de miseráveis saindo às ruas para aclamar Lula ou outro político que se apresente como São Jorge brandindo a espada contra o dragão da injustiça. Já não se pode falar de massas passivas. Neste ponto, cabe voltar à questão: pode o Brasil entrar na onda neopopulista? Ao responderem sim, economistas desconsideram outros fatores. Inserir o neopopulismo numa estrutura assentada em parâmetros econômicos é tapar os olhos para a ciência social e a geopolítica. A interdependência das economias brasileira e internacional é estreita. Ademais, a organicidade social no País não mais aceita ensaios populistas. Collor tentou ser um deles. Foi escorraçado. Lula, é verdade, tem carisma. Mas perdeu a capacidade de mobilizar imensos contingentes. No início do mandato, até que experimentou ir ao encontro do povo. Durou pouco. Faltando governo, falta massa. Donde se aduz que só com muito milagre o neopopulismo dará frutos no Brasil. A resposta à questão inicial, nesse caso, é não.

Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP e consultor político.


Últimas

2019/06/18 » Secretário-geral participa de missa no dia da imigração japonesa no Brasil
2019/06/12 » Proteção de dados e jornada de trabalho foram temas de palestras na Câmara
2019/06/11 » Murata participou da sessão em homenagem aos 111 anos da imigração japonesa
2019/06/10 » Seminário da Jetro discute propriedade intelectual
2019/06/07 » Seminário apresenta oportunidades de investimentos no Paraguai
2019/06/01 » IV Seminário Hospital Santa Cruz de Cooperação Científica Brasil e Japão
2019/05/30 » Discussão sobre reuniões do Conselho Empresarial Brasil-Japão e para Cooperação em Infraestrutura Brasil-Japão
2019/05/24 » Palestra aborda perspectivas de investimentos em startups
2019/05/22 » Assédio moral e sexual e e-Social foram temas de palestras na Câmara
2019/05/17 » Polari Filho destaca potencialidades da PB em palestra aos japoneses
2019/05/15 » Reunião reúne profissionais para debater assuntos jurídicos e tributários
2019/05/11 » Câmara realiza o 52º Campeonato de Golfe
2019/05/10 » Telma Shiraishi: embaixadora da boa vontade para a difusão da culinária japonesa
2019/05/10 » Subdepartamento Médico: reunião de trabalho
2019/05/10 » Departamentos eletroeletrônico e de transportes e serviços: reunião conjunta
2019/05/09 » Comissão de Relações Institucionais: Grupo de Trabalho Tributário e Aduaneiro
2019/05/09 » Seminário sobre IRPJ para expatriados
2019/05/08 » Conselho Fiscal se reúne para auditoria do 1º trimestre de 2019
2019/05/07 » EPA Japão-Mercosul: reunião com principais departamentos
2019/04/30 » Cerimônia de celebração da passagem para a era Reiwa

Ver mais »