Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(427)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias da Câmara

Notícias da Câmara

Selecione datas para filtrar: a OK
Incidência do IOF em Seguro Garantia 16/07/2005

Apesar de sustentada pela Secretaria da Receita Federal, a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras - IOF sobre essa modalidade de seguro não encontra respaldo jurídico nas operações que envolvem órgãos públicos.

Seguro Garantia é uma modalidade de seguro em que a seguradora tem a obrigação de indenizar o beneficiário na hipótese de o tomador não cumprir suas obrigações decorrentes de contrato ou por força de lei. A Fundação Escola Nacional de Seguros - FUNENSEG - define seguro garantia como sendo "um seguro destinado aos órgãos públicos da administração direta e indireta (federais, estaduais e municipais) que por força de norma legal devem exigir garantias de manutenção de oferta (em caso de concorrência) e de fiel cumprimento dos contratos (decreto 2.300) e também para as empresas privadas que, nas suas relações contratuais com terceiros (fornecedores, prestadores de serviços e empreiteiros de obras), desejam anular o risco de descumprimento".

Conforme mencionado, tal modalidade de seguro é bastante utilizada em negócios jurídicos envolvendo órgãos públicos. Por exemplo, determinado órgão da administração pública contrata empresa privada para construir um viaduto e exige a contratação de seguro garantia para, caso a empresa privada não construir o viaduto na data aprazada, receber indenização da seguradora. Nesse caso a empresa privada figura como tomadora do seguro garantia e o órgão da administração pública como segurado ou beneficiário do referido seguro.

Na operação de seguro-garantia, o segurado recebe uma apólice de seguro emitida pela seguradora, garantindo as obrigações do tomador contraídas no contrato principal. Para que se conclua a operação, a seguradora e o tomador assinam o contrato de contragarantia, o qual irá garantir o direito de regresso da seguradora contra o tomador em um eventual sinistro. As relações entre o tomador e a seguradora regem-se pelo estabelecido na proposta de seguro e no contrato de contragarantia, que é um instrumento legal que permite obter ressarcimento junto ao tomador e seus fiadores dos valores pagos pela seguradora ao segurado. Este contrato não interfere no direito do segurado.

Ao aplicar-se o conceito de seguro garantia ao direito tributário conclui-se que, pelo menos atualmente, tal modalidade de seguro envolvendo órgãos públicos não se sujeita à incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Em outras palavras: atualmente a tributação pelo IOF do seguro garantia (envolvendo órgãos públicos) está reduzida a zero.

Isto porque o artigo 22 do Regulamento do IOF (Decreto nº 4.494/2002), em seu § 1º, inciso I, alínea "e", estabelece que a alíquota do IOF fica reduzida a zero nas operações de seguro "em que o segurado seja órgão da Administração Pública Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal, Direta, Autárquica ou Fundacional".

Como no seguro garantia o segurado, via de regra, é órgão da Administração Pública Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal, Direta, Autárquica ou Fundacional, é perfeitamente possível sustentar que a alíquota do IOF para essa modalidade de seguro atualmente está reduzida a zero.

Não obstante tal entendimento, a Secretaria da Receita Federal, por intermédio da Resposta à Consulta nº 18/2004, da Superintendência Regional da Receita Federal/9ª Região Fiscal, determinou que:

"Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários - IOF

A operação de seguro garantia, a qual tem como obrigada ao pagamento do prêmio pessoa diversa da Administração Pública Federal, Estadual, do Distrito Federal ou Municipal, direta, autárquica ou fundacional, não é alcançada pelo benefício fiscal expressamente conferido às operações em que o "segurado" seja órgão dessas pessoas jurídicas de direito público, ainda que este figure como beneficiário do contrato."

Com todo respeito ao entendimento da Secretaria da Receita Federal, não se pode condicionar a fruição do benefício fiscal em questão à pessoa obrigada ao pagamento do prêmio relativo ao seguro garantia, mas sim à pessoa segurada por essa modalidade de seguro, mesmo porque a competente legislação não condiciona a fruição da redução a zero do IOF para os seguros em que o órgão público, além de ser o segurado, também é responsável pelo pagamento do prêmio. Portanto, se algum órgão público figurar na condição de segurado de qualquer seguro garantia, não haverá incidência do IOF com fundamento no artigo 22, § 1º, inciso I, alínea "e", do Regulamento do IOF.

Entretanto, em decorrência do posicionamento expresso da Secretaria da Receita Federal diametralmente oposto ao entendimento in casu defendido, é necessário que o contribuinte se valha de medida judicial para não se submeter à incidência do IOF sobre seguro garantia, sob pena de sofrer autuação pelo fisco federal.

Vera Carvalho Pinto, advogada de Stroeter, Royster & Ohno Advogados - Associados a Steel Hector & Davis LLP (Miami, Estados Unidos). Mestre em Filosofia do Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professora da Graduação da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (desde 1994).

Roberto Greco de Souza Ferreira, advogado de Stroeter, Royster & Ohno Advogados - Associados a Steel Hector & Davis LLP (Miami, Estados Unidos). Pós-graduado em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e LL.M. na Georgetown University Law Center (Estados Unidos).



Últimas

2019/08/16 » Câmara promove o evento mensal de agosto dos associados
2019/08/15 » Simpósio dos Presidentes dos Departamentos Setoriais: visita à imprensa nipo-brasileira
2019/08/15 » Equipamentos Elétricos, Informação e Comunicação: Departamento promove seminário sobre TI
2019/08/14 » Comitê Jurídico realiza reunião de agosto
2019/08/14 » Financeiro: Departamento debate retrospectiva e perspectivas
2019/08/13 » Comércio Exterior: retrospectiva e perspectivas são discutidas em encontro
2019/08/12 » Automotivo: membros do departamento se reúnem para discutir retrospectiva e perspectivas
2019/08/12 » Transportes e Serviços: 2ª reunião sobre retrospectiva e perspectivas
2019/08/09 » Equipamentos Elétricos, Informação e Comunicação: departamento debate retrospectiva e perspectivas
2019/08/07 » Conselho Fiscal faz reunião para auditoria do 2º trimestre de 2019
2019/08/07 » Cinco entidades nikkeis realizam reunião de trabalho no Bunkyo
2019/08/05 » Desenvolvimento de negócios globais: A importância do ‘Respeito Mútuo’ e a maneira de implementá-lo em sua organização
2019/08/05 » Produtos Químicos: retrospectiva e perspectivas foram discutidas em reunião
2019/08/02 » Comissão de Relações Institucionais: Grupo de Trabalho Tributário e Aduaneiro
2019/08/01 » Jetro realiza 3ª missão empresarial ao Paraguai
2019/08/01 » Alimentos: departamento debate retrospectiva e perspectivas
2019/08/01 » Consultoria e Assessoria: retrospectiva e perspectivas foram discutidas em reunião
2019/07/31 » Metal-Mecânico: departamento discute retrospectiva e perspectivas
2019/07/30 » SP sediou a XXII Reunião Plenária do Conselho Empresarial Brasil-Japão
2019/07/30 » Entidades empresariais de Brasil e Japão firmam agenda de cooperação para 2030

Ver mais »