Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(427)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias da Câmara

Notícias da Câmara

Selecione datas para filtrar: a OK
O horizonte além da crise 11/08/2005

E o dia de amanhã? A pergunta começa a se fazer ouvir, em meio aos ensaios de leitura sobre refundação do PT, reaglutinação das forças de esquerda, ideologização dos movimentos sociais e fortalecimento do oposicionismo. O horizonte, mesmo obnubilado pela discurseira nos palcos das investigações em curso no Congresso, permite divisar seus primeiros contornos. Por ter como agente principal o PT, cuja trajetória foi marcada pelo combate à corrupção e pela ética na política, a crise terá mais impacto sobre as esquerdas do que sobre outros nichos do arco ideológico. A hipótese conduz a outras conclusões: o partido de Lula será menor e mais rachado; as esquerdas acenderão as diferenças; os movimentos sociais, em sua grande maioria, se abrigarão sob o manto da micro-política, afastando-se de pregações ideológicas; os grandes partidos, empurrados pela contrariedade das classes médias, aumentarão o volume de oposição ao governo; e a racionalidade será mais alta no processo eleitoral.

A eleição de Lula fechou o ciclo de 25 anos de lutas das esquerdas brasileiras. Durante esse tempo, o PT, arvorando-se da condição de único partido virtuoso, esforçou-se para dividir o País em duas alas, a dos limpos e a dos sujos. Até que viu o mundo desmoronar sobre sua banda, a dos limpos. Foi flagrado no maior esquema de corrupção partidária da História republicana. O arremate da crise será o velório de um grupo formado na luta contra a ditadura militar de 64. Depois de lapidar seus perfis com o cinzel das grandes virtudes, lideranças petistas acabaram se mostrando mais impuras que os piores adversários.

A “guinada em direção ao conservadorismo e ao neoliberalismo” é o discurso comum das alas de oposição. Que pregam coisas como privatização de empresas públicas, propriedade pública dos grandes meios de produção, renegociação da dívida externa, o “fim da ditadura” do superávit primário, “independência total em relação aos empresários e banqueiros”. Lula, como se sabe, tem como principal trunfo a política econômica liberal, responsável pela estabilidade e confiança internacional no País. Se o PT das bases promete lutar contra o PT do governo, em que canto se refugiará Lula?

É fato, ainda, que as esquerdas, desde a eleição de Lula, ficaram mais pulverizadas, perdendo a capacidade de atração e mobilização, especialmente entre os segmentos jovens. O verticalismo nos comandos, o exclusivismo das idéias e o voluntarismo de dirigentes estão entre as causas do enfraquecimento, além de uma concepção capenga da idéia de conquista de poder. Como acentua a cientista social chilena, Marta Harnecker, no livro Tornar Possível o Impossível, a esquerda latino-americana reduz o conceito de poder ao poder do Estado, concebendo a revolução essencialmente como assalto a este poder, tarefa que concentra os seus esforços. Ora, este foi o equívoco do PT. Além da má gestão, as esquerdas sofrem os impactos da modernidade. A cultura política contemporânea impregna-se dos novos valores ditados pela universalização econômica. Ademais, as doutrinas se imbricam, tornando anacrônicas as propostas de acentuado cunho ideológico.

Por essa razão, o oposicionismo no País será mais forte pela via dos grandes partidos, que voltarão suas antenas para a captação dos sentimentos e expectativas da sociedade, a partir das classes médias. A crise criou um antídoto ético. Uma “senhora indignação” se insere no vocabulário de brasileiros de todas as classes. Mas a vitamina social virá, sobretudo, dos movimentos sociais, estes sim, em crescente processo de expansão e consolidação. Há, no País, perto de 300 mil organizações não-governamentais, de acordo com o IBGE. Muitas delas se agrupam em movimentos para defender demandas de grupamentos e setores. Sua organização é uma resposta à democracia representativa, que não está correspondendo às expectativas sociais. Não se espere deles, portanto, engajamento de cunho ideológico, pois sua malha de interesses abriga a pauta cotidiana das comunidades: menos impostos, mais segurança, escolas melhores, transporte mais barato, salários condignos. Ou seja, os movimentos sociais serão movidos pela micropolítica e pelo pragmatismo.

O saldo final da crise aponta para maior concentração de forças nos setores organizados. A onda de contrariedade poderá até redundar numa avalanche de votos nulos e brancos. Não se descarta, porém, a hipótese de razoável quantidade de candidatos lançados por grupos organizados em contraponto a perfis tradicionais. O horizonte, vale crer, terá tons de azul.

Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP e consultor político.



Últimas

2019/09/11 » Comitê Jurídico promove reunião de setembro
2019/09/10 » Realizada a 2ª reunião do Comitê do Meio Ambiente
2019/09/06 » Grupo Trabalhista: Reunião de trabalho
2019/09/05 » Reunião com São Paulo Negócios
2019/08/31 » Câmara promove o 53º Campeonato de Golfe
2019/08/29 » Grupo de Trabalho Tributário e Aduaneiro: reunião
2019/08/29 » Grupo de Trabalho Tributário e Aduaneiro: seminário sobre impostos indiretos
2019/08/29 » Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão: reunião com diretor Yoshida
2019/08/27 » Comitê de Relações Públicas: reunião sobre site da Câmara
2019/08/26 » Reunião com o diretor-geral do Ministério de Assuntos Internos e Comunicações do Japão
2019/08/26 » Tereza Cristina aponta novas perspectivas para o comércio agrícola entre Brasil e Japão
2019/08/22 » Câmara realiza o simpósio dos presidentes dos departamentos setoriais
2019/08/21 » Reunião discute o conceito de prêmio e segurança da informação
2019/08/16 » Câmara promove o evento mensal de agosto dos associados
2019/08/15 » Simpósio dos Presidentes dos Departamentos Setoriais: visita à imprensa nipo-brasileira
2019/08/15 » Equipamentos Elétricos, Informação e Comunicação: Departamento promove seminário sobre TI
2019/08/14 » Comitê Jurídico realiza reunião de agosto
2019/08/14 » Financeiro: Departamento debate retrospectiva e perspectivas
2019/08/13 » Comércio Exterior: retrospectiva e perspectivas são discutidas em encontro
2019/08/12 » Automotivo: membros do departamento se reúnem para discutir retrospectiva e perspectivas

Ver mais »