Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
CNA diz que insegurança jurídica no campo limita crescimento da economia 10/02/2010

Brasília - A insegurança jurídica no campo reduz o potencial de crescimento da economia brasileira em até 20%, de acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). A entidade calcula que com a “garantia do direito à propriedade”, o país poderia almejar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da ordem de 7% e não de 5% como projetado para os próximos anos.

A previsão foi apresentada hoje (9) durante o lançamento do Observatório das Inseguranças Jurídicas no Campo, que pretende mapear as invasões, acompanhar os processos na Justiça e calcular os prejuízos causados pelos litígios.

A presidente da CNA, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), disse que o observatório pretende mostrar à sociedade o custo das ocupações e da demora na solução dos conflitos.

“Queremos mostrar que toda a sociedade perde quando há conflito porque nessa hora todo e qualquer processo de produção fica paralisado. O país paga a conta em grãos e em produção”.

Segundo a CNA, a falta de segurança jurídica impede os financiamentos bancários e inibe os investimentos em infraestrutura em áreas que são alvos de disputa entre os proprietários e os representantes de movimentos sociais, por exemplo.

A entidade também inclui na mesma conta a diminuição da oferta de emprego e a queda da arrecadação de impostos, causadas pela não utilização de áreas invadidas.

Em Mato Grosso, segundo a CNA, os prejuízos chegam a R$ 876 milhões. Em todo o estado há 117 processos de reintegração de posse tramitando na Justiça, alguns sem resposta desde 1986.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, que participou da cerimônia, reconheceu que há casos parados pela demora do Judiciário, mas afirmou que as iniciativas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estão acelerando os processos e garantindo o cumprimento de mandados de reintegração de posse.

“Havia um temor no cumprimento de mandados, muitas vezes os governadores resistiam em cumprir temendo conflitos. Mas hoje estamos avançando nesse processo de mediação, de conciliação e muitas vezes a Justiça tem agido sem que haja necessidade de intervenação das forças policiais”, avaliou.

Além dos conflitos agrários, o observatório da CNA também pretende mapear os dados sobre a questão ambiental. A senadora Kátia Abreu atacou a criação de unidades de conservação e disse que na maioria dos casos, as reservas são “ficção” porque não há desocupação efetiva das áreas.

“A sociedade pensa que a biodiversidade está sendo preservada com a criação desses parques, mas na verdade é ficção. Há apenas um decreto determinando que aquela área é de preservação e fim. Não há continuidade do processo jurídico de desapropriação, de indenização das partes”, disse.

O observatório reúne dados de conflito agrários em quatro estados: Mato Grosso, Bahia, Maranhão e Pará. De acordo com a CNA, a ideia é estender o levantamento de dados para todos os estados. (Agência Brasil - Luana Lourenço)



Últimas

2021/01/26 » Micro e pequenas empresas têm até sexta-feira para aderir ao Simples
2021/01/26 » Queda na arrecadação foi “resultado excelente”, diz Guedes
2021/01/26 » Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central

Ver mais »