Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Especialistas apostam em alta dos juros básicos da economia na próxima reunião do Copom 17/03/2010

Rio de Janeiro – A manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 8,75% ao ano, decidida hoje (17) pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) não surpreendeu o professor Fernando de Holanda Barbosa Filho, da Fundação Getulio Vargas (FGV). “Já era esperado pelo mercado. Uma parte  achava que ele podia aumentar agora e um segundo grupo achava que ia ser só em abril”.

Fernando de Holanda disse, no entanto, que o consenso a partir de abril é que o Copom terá de aumentar a Selic, “porque a economia está, certamente, em um ritmo de crescimento forte. O último trimestre de 2009 mostrou isso para a gente, que cresceu 2%. E começa a ter no cenário pressão inflacionária. Você começa a ver toda uma expectativa futura de inflação subindo, o que deve sinalizar que no próximo Copom, o Banco Central já deve começar a subir a taxa de juros”.

O ex-ministro da Fazenda, Marcílio Marques Moreira, presidente do Conselho de Economia da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), afirmou à Agência Brasil que se o Copom decidisse por um pequeno aumento de 0,25 ponto percentual, isso “seria um sinal”. 

Moreira concorda  que o Copom deverá elevar os juros básicos para conter o retorno da inflação. O ex-ministro destacou que alguns índices de preços já  acumulam alta em 12 meses, entre eles o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC),  “que estão batendo  em 5%”.

Já o professor do Ibmec, Gilberto Braga, apostava que o Copom praticaria uma elevação de 0,5 ponto percentual, devido à inflação. Braga disse que postergar o aumento da Selic pode não ser recomendável para o próprio governo. “Se deixar para fazer depois vai ser tarde porque boa parte dos preços livres já está contaminada, porque já se cristalizou a convicção de que vai haver um aumento da taxa básica”.

O professor Manuel Alcino Ribeiro da Fonseca, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IE/UFRJ), afirmou que há uma pressão política muito forte para que não se mexa na taxa no momento, por conta da eleição. Ele esperava que o mais provável na reunião de hoje seria manter a taxa ou ter uma alta mínima de 0,25 ponto percentual. (Agência Brasil - Alana Gandra)



Últimas

2020/10/01 » Guedes diz que Brasil “volta aos trilhos” com criação de empregos
2020/10/01 » Criação de empregos em agosto atinge melhor nível em nove anos
2020/10/01 » Governo de SP assina contrato com Sinovac e prevê vacina para dezembro
2020/09/29 » CNI: confiança do empresário industrial cresce em todos os setores
2020/09/29 » Prazo de entrega da declaração do ITR acaba na quarta-feira
2020/09/29 » União libera R$ 5 bi para financiar MEI, micro e pequena empresa
2020/09/28 » Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
2020/09/28 » Petrobras inicia venda de dois campos de petróleo de águas profundas
2020/09/28 » Governo economiza R$ 1 bilhão com trabalho remoto de servidores
2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais

Ver mais »