Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
BC: é preciso esperar para ver reflexo da alta no custo de captação sobre juros ao consumidor 23/03/2010

Brasília - Ao mesmo tempo em que a inadimplência está em queda, o custo de captação de recursos pelos bancos se eleva devido à perspectiva de alta da taxa básica de juros, a Selic. Por isso, segundo o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Altamir Lopes, é preciso esperar para saber o impacto desse cenário nos juros cobrados do consumidor. Atualmente a Selic está em 8,75% ao ano.

Em fevereiro, as taxas cobradas nos empréstimos a empresas e famílias caíram. A queda da inadimplência contribui para a redução dos juros cobrados do consumidor, enquanto o aumento do custo de captação faz com que os bancos cobrem mais caro pelos empréstimos.

“Estamos observando algum movimento de elevação do custo de captação. Um dos aspectos é a expectativa do mercado em relação à taxa de juros básicos. Isso acaba se refletindo no custo de captação dessas instituições financeiras e, sem dúvida, é repassado ao tomador final”, disse Lopes.

Até o dia 10 deste mês, a taxa geral de juros permaneceu em 34,3% ao ano. A taxa para pessoas físicas ficou estável em 41,6% ao ano, contra 41,9% ao ano de fevereiro. Para as empresas, a taxa está em 26,1% ao ano, ante 25,9% ao ano observados no mês passado.

O spread geral, diferença entre a taxa que o banco paga nos investimentos e cobra nos financiamentos, está em 24,1 pontos percentuais, de acordo com os dados preliminares deste mês. Em fevereiro, o spread geral ficou em 24,3 pontos percentuais. Para as pessoas físicas, está em 30,4 pontos percentuais, contra 30,8 pontos percentuais registrados em fevereiro. No caso das empresas, o spread foi estável em 16,9 pontos percentuais.

De acordo com Lopes, a inadimplência vem caindo devido às boas perspectivas no mercado de trabalho, com manutenção da renda.

“À medida que as famílias e as empresas têm renda melhorada, com atividade mais elevada, a providência inicial é regularizar a situação e isso possibilita que voltem a captar mais recursos”, afirmou.

Para Lopes, a tendência é de mais redução da inadimplência, principalmente, para as empresas. “A taxa de inadimplência para pessoa jurídica é razoavelmente baixa, mas foi aquela que teve impacto maior durante o período de crise. É exatamente para esse segmento que se espera uma retração ainda maior daqui para a frente”, disse. (Agência Brasil - Kelly Oliveira)



Últimas

2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020

Ver mais »