Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Sindicalistas alertam para precarização do trabalho na construção civil 12/05/2010

São Paulo – Sindicalistas apontam a precarização no mercado de trabalho da construção civil no país, com base em informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Os dados mostram que construtoras contrataram quase oito vezes mais serventes do que pedreiros, embora o primeiro grupo represente só 40% dos trabalhadores em obras, de acordo com a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

“Um servente prepara massa para até três pedreiros”, disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Belém Atnágoras Lopes. “O número de contratações é a prova de uma fraude. Há gente sendo contratada como servente, mas trabalhando como pedreiro.”

Lopes foi um dos sindicalistas que esteve ontem (11) na apresentação de um estudo setorial da construção civil elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Do documento, constam os dados do Caged, que computa as contratações e demissões informadas por empresas ao governo mês a mês.

Segundo o Caged, de janeiro de 2009 a fevereiro deste ano, 153 mil serventes de pedreiros foram contratados. No mesmo período, as construtoras contrataram 20 mil pedreiros.

De acordo com a CBIC, porém, existe um servente para cada 1,5 profissional trabalhando em obras no país.

“Pedreiro ganha cerca de 25% a mais do que servente”, complementou Lopes. “Provavelmente, metade dos pedreiros trabalhando não recebe para isso pois está registrada como servente.”

O coordenador de Relações Sindicais do Dieese, José Silvestre de Oliveira, afirmou que a precarização do trabalho é atualmente um dos maiores problemas da construção civil, assim como a informalidade. “Mais da metade dos trabalhadores da construção são informais”, disse ele.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2008, dos 6,9 milhões de trabalhadores na construção, 4,4 milhões não têm carteira assinada. Destes, 2,7 milhões trabalham por conta própria e o restante é assalariado sem carteira.

Para o secretário-geral da Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores nas Indústrias da Construção e da Madeira (Conticom), Dário Carneiro, esses dados mostram que é preciso repensar a qualidade do emprego gerado nas construções. “Nós vemos o número de empregos aumentar, mas não podemos aceitar as condições de trabalho desses empregos.”

Em nota, a CBIC informou que os dados sobre contratação no setor não indicam precarização, mas sim a lacuna de especialização dos profissionais.

Segundo a entidade, as empresas contratam mais serventes devido à falta de qualificação dos candidatos. Depois, elas capacitam esses profissionais, que deixam de ser só ajudantes. “Prova disso é o aumento expressivo do ganho médio do trabalhador da construção civil, o que evidencia que não existe precarização, mas melhoria das competências”, informou a entidade.

De acordo com o Dieese, o salário médio do trabalhador na construção subiu de R$ 525,43 para R$ 580,33 de 2008 para 2009. (Agência Brasil - Vincícius Konchinski)



Últimas

2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp

Ver mais »