Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
FMI recomenda ao Brasil política econômica cuidadosa para impedir superaquecimento 05/08/2010

Por ter sido um dos países que se recuperaram mais rapidamente da crise, o Brasil crescerá 7,1% em 2010, anunciou hoje (5) o Fundo Monetário Internacional (FMI). Para o órgão, no entanto, as autoridades brasileiras terão de manter uma política monetária e fiscal “cuidadosa” para impedir que a economia fuja do controle, o que acarretaria uma disparada da inflação ou um possível superaquecimento.

A avaliação sobre a economia brasileira foi divulgada hoje (5), no site da entidade, num artigo que traz as observações de técnicos do FMI que visitaram o Brasil no primeiro semestre.

De acordo com relatório publicado pelo fundo, a retirada gradual de algumas reduções de impostos concedidas no ano passado para estimular a economia ajuda a conter o crescimento. O FMI recomendou que o governo brasileiro “mantenha os esforços para reduzir as despesas públicas", como o bloqueio adicional de R$ 7,4 bilhões do Orçamento anunciado no fim de maio.

Embora elogie algumas iniciativas do governo, o FMI sugeriu que os empréstimos concedidos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cujo capital foi ampliado em R$ 180 bilhões desde o início de 2009, sejam restringidos. Na avaliação do órgão, esses empréstimos têm efeitos semelhantes aos dos gastos fiscais.

Para o Fundo Monetário, a principal dificuldade do Brasil está na administração da política monetária depois da crise econômica. Isso porque o aumento dos juros estimula a entrada de capitais internacionais, que buscam no país uma oportunidade de lucro em meio à lenta recuperação de vários países desenvolvidos e ao agravamento da crise na Europa.

Esses recursos externos contribuem para reduzir o câmbio e aumentar o consumo, o que se contrapõe ao objetivo do Banco Central de aumentar os juros para conter o crescimento econômico. A entrada de recursos externos contribui para a ampliação das reservas internacionais, mas o FMI pediu que o Brasil observe cuidadosamente os juros para impedir os riscos de maior valorização do câmbio.

Apesar de superar os 7% de crescimento, a estimativa do FMI é menor que a de alguns setores do governo brasileiro. No fim de junho, o Banco Central projetou, no Relatório de Inflação, crescimento de 7,3% para este ano. Há três semanas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que a pasta prevê expansão entre 6,5% e 7%. As informações são da Agência Brasil - Wellton Máximo.



Últimas

2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento
2020/01/15 » Mochilas pesadas na infância podem acarretar problemas na fase adulta
2020/01/14 » Consumidor espera saldões para comprar com desconto produto mais caro
2020/01/14 » IR: contribuinte não poderá deduzir gasto com previdência de doméstica
2020/01/14 » Petrobras reduz preço da gasolina e diesel nas refinarias
2020/01/13 » Migração de empregadores para eSocial só terminará em 2023
2020/01/13 » Agronegócio brasileiro exportou US$ 96,8 bilhões em 2019

Ver mais »