Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
FMI recomenda ao Brasil política econômica cuidadosa para impedir superaquecimento 05/08/2010

Por ter sido um dos países que se recuperaram mais rapidamente da crise, o Brasil crescerá 7,1% em 2010, anunciou hoje (5) o Fundo Monetário Internacional (FMI). Para o órgão, no entanto, as autoridades brasileiras terão de manter uma política monetária e fiscal “cuidadosa” para impedir que a economia fuja do controle, o que acarretaria uma disparada da inflação ou um possível superaquecimento.

A avaliação sobre a economia brasileira foi divulgada hoje (5), no site da entidade, num artigo que traz as observações de técnicos do FMI que visitaram o Brasil no primeiro semestre.

De acordo com relatório publicado pelo fundo, a retirada gradual de algumas reduções de impostos concedidas no ano passado para estimular a economia ajuda a conter o crescimento. O FMI recomendou que o governo brasileiro “mantenha os esforços para reduzir as despesas públicas", como o bloqueio adicional de R$ 7,4 bilhões do Orçamento anunciado no fim de maio.

Embora elogie algumas iniciativas do governo, o FMI sugeriu que os empréstimos concedidos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cujo capital foi ampliado em R$ 180 bilhões desde o início de 2009, sejam restringidos. Na avaliação do órgão, esses empréstimos têm efeitos semelhantes aos dos gastos fiscais.

Para o Fundo Monetário, a principal dificuldade do Brasil está na administração da política monetária depois da crise econômica. Isso porque o aumento dos juros estimula a entrada de capitais internacionais, que buscam no país uma oportunidade de lucro em meio à lenta recuperação de vários países desenvolvidos e ao agravamento da crise na Europa.

Esses recursos externos contribuem para reduzir o câmbio e aumentar o consumo, o que se contrapõe ao objetivo do Banco Central de aumentar os juros para conter o crescimento econômico. A entrada de recursos externos contribui para a ampliação das reservas internacionais, mas o FMI pediu que o Brasil observe cuidadosamente os juros para impedir os riscos de maior valorização do câmbio.

Apesar de superar os 7% de crescimento, a estimativa do FMI é menor que a de alguns setores do governo brasileiro. No fim de junho, o Banco Central projetou, no Relatório de Inflação, crescimento de 7,3% para este ano. Há três semanas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou que a pasta prevê expansão entre 6,5% e 7%. As informações são da Agência Brasil - Wellton Máximo.



Últimas

2020/08/14 » Mercado de seguros tem queda de 3,5% no ano devido à pandemia
2020/08/14 » OMS minimiza risco de novo coronavírus entrar na cadeia alimentar
2020/08/14 » Paulo Guedes anuncia novos secretários especiais
2020/08/13 » Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19
2020/08/13 » Instituto alemão diz que vacina pode estar disponível logo
2020/08/13 » Lucro líquido da Eletrobras chega a R$ 4,6 bilhões no trimestre
2020/08/12 » Conselho do FGTS aprova distribuição de R$ 7,5 bi para trabalhadores
2020/08/12 » Guedes diz que não apoia eventual tentativa de furar teto de gastos
2020/08/12 » Produção industrial cresce em 14 locais em junho, diz IBGE
2020/08/11 » Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes
2020/08/11 » Débitos de difícil recuperação com o Simples podem ser parcelados
2020/08/11 » Auxílio emergencial manteve economia ativa em municípios mais pobres
2020/08/10 » Sem título
2020/08/10 » SP ultrapassa 25,1 mil mortes causadas por covid-19
2020/08/10 » Como é feita média móvel de casos de covid-19
2020/08/07 » MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
2020/08/07 » Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia
2020/08/07 » Senai ensina indústrias a produzirem EPI contra novo coronavírus
2020/08/06 » Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
2020/08/06 » Baixa inflação permitiu corte nos juros, avaliam entidades

Ver mais »