Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mulheres lideram reconstrução de países depois de conflitos e desastres naturais, diz ONU 20/10/2010

Em conflitos e emergências humanitárias, as mulheres costumam ficar mais vulneráveis que os homens. Apesar disso, são elas as protagonistas da reconstrução de seus países. Isso é o que informa o Relatório sobre a Situação da População Mundial 2010, publicado hoje (20) pelo Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa).

 

Focado nas questões de gênero, o documento mostra como estão se reerguendo as comunidades da Bósnia-Herzegóvina, Haiti, Iraque, Jordânia, Libéria, Território Palestino Ocupado, Timor Leste e Uganda afetadas por conflitos armados ou desastres naturais.

 

O texto chama atenção para as dificuldades com que as mulheres precisam lidar após as catástrofes: estupros e ameaças de violência sexual, transmissão de HIV e traumas psicológicas. Nessa situação, algumas deixam de ir à escola por temer a violência e os sequestros de estupradores e traficantes. Outras se veem desprotegidas com a morte de parentes e precisam assumir os filhos e a renda familiar de uma hora para outra. Os homens também sofrem com a exploração do seu trabalho e com a violência sexual, ainda que ela atinja mais as mulheres.

 

Apesar de todos esses problemas, as mulheres têm se organizado em movimentos de reconstrução, cobrança de respeito aos direitos humanos e fim de conflitos armados e guerra civil. Como exemplo, o relatório cita o exemplo da África Ocidental, onde elas “têm se mostrado muito ativas em se organizar”.

 

“É possível que a Libéria (país da África Ocidental) tenha saído na frente em termos de recuperação pós-conflito, porque as mulheres acumularam considerável influência política no início desta década. Ainda assim, a despeito da força dos movimentos femininos, a violência doméstica permanece como um dos mais graves problemas na Libéria”, diz o relatório.

 

Além da Libéria, vários outros países onde as barreiras domésticas são as mais fortes são citados. Segundo o documento, o maior desafio feminino nessas regiões é a independência econômica. Por dependerem muito dos homens, elas vivem voltadas para a família. Assim ficam mais suscetíveis à violência doméstica e sem acesso a diversos direitos legais, como a educação. (Agência Brasil)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »