Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mulheres lideram reconstrução de países depois de conflitos e desastres naturais, diz ONU 20/10/2010

Em conflitos e emergências humanitárias, as mulheres costumam ficar mais vulneráveis que os homens. Apesar disso, são elas as protagonistas da reconstrução de seus países. Isso é o que informa o Relatório sobre a Situação da População Mundial 2010, publicado hoje (20) pelo Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa).

 

Focado nas questões de gênero, o documento mostra como estão se reerguendo as comunidades da Bósnia-Herzegóvina, Haiti, Iraque, Jordânia, Libéria, Território Palestino Ocupado, Timor Leste e Uganda afetadas por conflitos armados ou desastres naturais.

 

O texto chama atenção para as dificuldades com que as mulheres precisam lidar após as catástrofes: estupros e ameaças de violência sexual, transmissão de HIV e traumas psicológicas. Nessa situação, algumas deixam de ir à escola por temer a violência e os sequestros de estupradores e traficantes. Outras se veem desprotegidas com a morte de parentes e precisam assumir os filhos e a renda familiar de uma hora para outra. Os homens também sofrem com a exploração do seu trabalho e com a violência sexual, ainda que ela atinja mais as mulheres.

 

Apesar de todos esses problemas, as mulheres têm se organizado em movimentos de reconstrução, cobrança de respeito aos direitos humanos e fim de conflitos armados e guerra civil. Como exemplo, o relatório cita o exemplo da África Ocidental, onde elas “têm se mostrado muito ativas em se organizar”.

 

“É possível que a Libéria (país da África Ocidental) tenha saído na frente em termos de recuperação pós-conflito, porque as mulheres acumularam considerável influência política no início desta década. Ainda assim, a despeito da força dos movimentos femininos, a violência doméstica permanece como um dos mais graves problemas na Libéria”, diz o relatório.

 

Além da Libéria, vários outros países onde as barreiras domésticas são as mais fortes são citados. Segundo o documento, o maior desafio feminino nessas regiões é a independência econômica. Por dependerem muito dos homens, elas vivem voltadas para a família. Assim ficam mais suscetíveis à violência doméstica e sem acesso a diversos direitos legais, como a educação. (Agência Brasil)



Últimas

2020/07/16 » Covid-19: 80% dos executivos no país esperam queda na receita em 2020
2020/07/16 » Cartórios passam a monitorar violência patrimonial contra idosos
2020/07/16 » Saiba como fazer o teste diagnóstico de covid-19 pelo plano de saúde
2020/07/14 » Parcela de petróleo da União por contratos de partilha cresce 50%
2020/07/14 » UFMG faz campanha para ampliar acesso de alunos a aulas remotas
2020/07/14 » Setor de segurança tem alta de 40% na busca por tecnologia inteligente
2020/07/13 » Saiba como funciona o ITBI
2020/07/13 » Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos
2020/07/13 » Caixa inclui custo com cartório e ITBI em financiamento imobiliário
2020/07/10 » Covid-19: pessoas com sintomas devem procurar atendimento imediato
2020/07/10 » ONU pede fim do financiamento ao carvão e apoio à energia renovável
2020/07/10 » OMS quer mais evidências sobre transmissão da covid-19 pelo ar
2020/07/09 » Novo site simplifica adesão ao acordo dos planos econômicos
2020/07/09 » Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender
2020/07/09 » Pandemia causou impacto em 57% das companhias exportadoras, revela CNI
2020/07/09 » Estimativa de junho prevê safra recorde de 247,4 milhões de toneladas
2020/07/09 » MEC anuncia que Enem será em 17 e 24 de janeiro de 2021
2020/07/08 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante pandemia
2020/07/08 » Câmara aprova MP que suspende cumprimento mínimo de dias letivos
2020/07/08 » Câmara aprova MP que permite reembolso de passagem aérea em até um ano

Ver mais »