Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mulheres lideram reconstrução de países depois de conflitos e desastres naturais, diz ONU 20/10/2010

Em conflitos e emergências humanitárias, as mulheres costumam ficar mais vulneráveis que os homens. Apesar disso, são elas as protagonistas da reconstrução de seus países. Isso é o que informa o Relatório sobre a Situação da População Mundial 2010, publicado hoje (20) pelo Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa).

 

Focado nas questões de gênero, o documento mostra como estão se reerguendo as comunidades da Bósnia-Herzegóvina, Haiti, Iraque, Jordânia, Libéria, Território Palestino Ocupado, Timor Leste e Uganda afetadas por conflitos armados ou desastres naturais.

 

O texto chama atenção para as dificuldades com que as mulheres precisam lidar após as catástrofes: estupros e ameaças de violência sexual, transmissão de HIV e traumas psicológicas. Nessa situação, algumas deixam de ir à escola por temer a violência e os sequestros de estupradores e traficantes. Outras se veem desprotegidas com a morte de parentes e precisam assumir os filhos e a renda familiar de uma hora para outra. Os homens também sofrem com a exploração do seu trabalho e com a violência sexual, ainda que ela atinja mais as mulheres.

 

Apesar de todos esses problemas, as mulheres têm se organizado em movimentos de reconstrução, cobrança de respeito aos direitos humanos e fim de conflitos armados e guerra civil. Como exemplo, o relatório cita o exemplo da África Ocidental, onde elas “têm se mostrado muito ativas em se organizar”.

 

“É possível que a Libéria (país da África Ocidental) tenha saído na frente em termos de recuperação pós-conflito, porque as mulheres acumularam considerável influência política no início desta década. Ainda assim, a despeito da força dos movimentos femininos, a violência doméstica permanece como um dos mais graves problemas na Libéria”, diz o relatório.

 

Além da Libéria, vários outros países onde as barreiras domésticas são as mais fortes são citados. Segundo o documento, o maior desafio feminino nessas regiões é a independência econômica. Por dependerem muito dos homens, elas vivem voltadas para a família. Assim ficam mais suscetíveis à violência doméstica e sem acesso a diversos direitos legais, como a educação. (Agência Brasil)



Últimas

2020/09/29 » CNI: confiança do empresário industrial cresce em todos os setores
2020/09/29 » Prazo de entrega da declaração do ITR acaba na quarta-feira
2020/09/29 » União libera R$ 5 bi para financiar MEI, micro e pequena empresa
2020/09/28 » Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
2020/09/28 » Petrobras inicia venda de dois campos de petróleo de águas profundas
2020/09/28 » Governo economiza R$ 1 bilhão com trabalho remoto de servidores
2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais

Ver mais »