Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Pressionada pelas carnes, inflação semanal atinge maior taxa desde abril 23/11/2010

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), voltou a subir na terceira prévia de novembro, com variação de 0,85% ante 0,72%. Essa taxa é a mais alta desde a primeira semana de abril deste ano, quando o índice havia sido de 0,98%.

Os maiores aumentos de preços foram constatados no grupo alimentação, cujo índice foi de 1,98%, acima da variação anterior (1,63%).Entre os produtos que mais influenciaram o resultado estão as carnes bovinas, que ficaram em média 9,43% mais caras, ante um aumento de 6,97%, e as frutas, que passaram de 0,61% para 2,71%.

Na lista dos cinco itens apontados como os de maior peso inflacionário, quatro são do grupo alimentação: batata-inglesa (de 11,80% para 12,72%); carne moída (de 8,69% para 9,66%); alcatra (de 5,84% para 9,15%) e contrafilé (de 6,17% para 9,38%). O quinto item é a gasolina, que apresentou variação de 1,45%. Esse resultado, no entanto, indica diminuição no ritmo de reajuste, porque na pesquisa anterior a alta foi de 1,66%.

As cinco quedas mais expressivas ocorreram também entre os alimentos: banana-prata (de -8,99% para -7,86%), vagem (de -10,61% para -16,17%), pimentão (de -9,19% para -7,97%), pepino (de -6,24% para -19,54%) e cebola (-11,59% para -8,21%).

Foram verificadas elevações ainda nos grupos: vestuário (de 0,86% para 1,00%) sob o efeito de aumentos de preços dos calçados (de 0,66% para 1,29%); saúde e cuidados pessoais (de 0,14% para 0,23%); habitação (de 0,24% para 0,30%), com destaque para a tarifa de energia elétrica (de 0,10% para 0,26%); e educação, leitura e recreação (de 0,18% para 0,20%). Neste caso, a alta reflete o movimento de recuperação de preços de passagens aéreas (de -2,75% para -0,01%).

Os demais grupos tiveram decréscimos: transportes (de 0,77% para 0,68%) e despesas diversas (de 0,38 para 0,25%). (Marli Moreira, da Agência Brasil)



Últimas

2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro

Ver mais »