Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Estudo do Banco Central avalia impacto do dólar e da taxa de juros na inadimplência 29/11/2010

A valorização do dólar ante o real e o aumento da taxa básica de juros levam a aumento da inadimplência das empresas, segundo o estudo incluído no Relatório de Economia Bancária de 2009, divulgado hoje (29) pelo Banco Central (BC).

Segundo o estudo, o efeito da apreciação do dólar na inadimplência começa a ser sentido dois meses depois do choque de valorização da moeda estrangeira, com pico em oito meses. O feito é totalmente dissipado após 19 meses.

De acordo com o BC, isso acontece devido à existência de contratos de crédito com cláusulas que incorporam a variação da cotação de moedas estrangeiras. Ou seja, quando há aumento do dólar, os encargos dos empréstimos ficam maiores para as empresas, já que há cláusulas nos contratos que estabelecem essa correção.

Atualmente, o cenário é outro: há desvalorização do dólar ante o real. Em um cenário de dólar valorizado, também há aumento do custo de insumos importados pelas empresas brasileiras.

De acordo com o estudo, o impacto da Selic na inadimplência das empresas “é bem menos pronunciado em termos de magnitude que o da apreciação do dólar”. O efeito do aumento da Selic começa a ser sentido oito meses depois, com pico em 14 meses, sendo dissipado completamente após 21 meses.

“Contudo, o impacto dessas duas variáveis [Selic e dólar] é relativamente pequeno quando comparado ao impacto que a atividade econômica, medida no estudo pela produção física industrial, exerce sobre a inadimplência de pessoas jurídicas”, diz BC, no relatório.

De acordo com o relatório, “um aumento na produção, que significa um aquecimento da atividade econômica, leva a um decréscimo da inadimplência”. Esse impacto da produção na inadimplência é sentido já no primeiro mês após o aumento da atividade. O pico do efeito ocorre depois de quatro meses, com duração de 12 meses.

O estudo considerou como inadimplência o número de operações de crédito com atraso de 61 a 90 dias.

“O crescimento sustentável da atividade econômica no longo prazo é um dos fatores preponderantes para a redução da inadimplência de pessoas jurídicas na carteira de crédito das instituições financeiras brasileiras e, por conseguinte, para a preservação da estabilidade financeira do sistema financeiro nacional”, conclui o estudo. (Kelly Oliveira, da Agência Brasil)



Últimas

2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

Ver mais »