Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Lula diz que baixa adesão de países desenvolvidos à COP-16 pode comprometer acordos 01/12/2010

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou hoje (1º) a baixa adesão de autoridades mundiais à Conferência do Clima (COP-16), em Cancun, no México. Para ele, a pouca participação, principalmente de países desenvolvidos, vai contribuir para a falta de acordo nos impasses sobre a redução da emissão de gás carbônico (CO2) e o desmatamento.

Lula ressaltou, porém, que o índice de desmatamento brasileiro é menor, não para dar satisfação a esses países, mas pelo compromisso que o próprio país assumiu. “O importante é que o compromisso que assumimos aqui, vamos cumprir. E vamos cumprir porque é nossa obrigação”, comentou, ao participar da cerimônia de divulgação dos dados sobre desmatamento na Amazônia.

Lula disse que o fato de o Brasil ter apresentado o menor índice de desmatamento dos últimos 22 anos, quando a região começou a ser monitorada, deve-se também a conversas com prefeitos e governadores das áreas desmatadas.

“Eles, em vez de adversários, passaram a ser parceiros. Perceberam que era vantagem para eles”, comentou. “Nós evoluímos muito. A sociedade brasileira, os empresários, os ambientalistas evoluíram. Não nos tratamos mais como se fossemos inimigos, nos tratamos como se fossemos parceiros”, acrescentou.

O Brasil registrou, entre agosto de 2009 e julho de 2010, o menor índice de desmatamento da Amazônia dos últimos 22 anos. Foram 6.450 quilômetros quadrados (km2). Só em relação ao período anterior, o número é 14% menor.

Os três estados que tradicionalmente mais desmatam Pará, Mato Grosso e Rondônia apresentaram redução significativa. Dos três, o Mato Grosso foi o estado que menos desmatou. Se em 2004, foram 14 mil km2, em 2010, o número caiu para menos de mil.

Na cerimônia, Lula ainda entregou contratos de concessão de uso de terra a 2,5 mil famílias de sete unidades de conservação federal, sendo seis reservas extrativistas e uma floresta nacional. O documento dá direito às famílias explorarem de forma sustentável os recursos naturais conforme plano de manejo.

Durante a cerimônia foi assinado o decreto que cria o Macrozoneamento Ecológico-Econômico da Amazônia Legal (MacroZEE). A ideia é promover o desenvolvimento sustentável na região. (Priscilla Mazenotti, da Agência Brasil)



Últimas

2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
2021/01/18 » Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões
2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020

Ver mais »