Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inflação medida pelo IPC-S diminui em todas as capitais pesquisadas, mostra FGV 04/01/2011

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) diminuiu em todas as sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV) em dezembro. De acordo com os dados divulgados hoje (4), Recife foi a que registrou o maior decréscimo, ao passar de 1,15%, no levantamento do dia 22 de dezembro, para 0,84%, na apuração de 31 de dezembro.

Segundo a FVG, apesar da redução, em 2010 o índice relativo à capital pernambucana acumulou alta de 5,34%, acima da taxa registrada um ano antes, de 4,56%. Em dezembro, os grupos que mais influenciaram a alta menos intensa de preços em Recife foram alimentação (de 2,19% para 1,28%) e transportes (de 1,34% para 0,83%).

A capital paulista, que tem maior peso na formação do índice global, apresentou a menor taxa de IPC-S entre as capitais neste levantamento: 0,55%, depois de registrar 0,78% na apuração anterior. Neste caso, o resultado foi influenciado pelos decréscimos em alimentação (de 1,55% para 1,04%), especialmente carnes bovinas (de 4,87% para 2,46%); vestuário (de 0,35% para 0,00%), principalmente calçados (de –0,49% para –0,90%); habitação (de 0,46% para 0,28%), com destaque para aluguel residencial (de 1,33% para 0,98%); e educação, leitura e recreação (de 0,39% para 0,27%), com a influência de tarifa de passagem aérea (de 11,16% para 5,99%).

Os resultados para as demais capitais foram: Salvador, de 0,83% para 0,72%; Brasília, de 0,81% para 0,71%; Belo Horizonte, de 0,83% para 0,80%; Rio de Janeiro, de 1,00% para 0,97%; e Porto Alegre, de 0,77% para 0,68%.

O IPC-S de 31 de dezembro ficou em 0,72%, com um pequeno decréscimo de 0,15 ponto percentual sobre a variação anterior. Com esse resultado, no entanto, a taxa fechou o ano em 6,24%, bem acima do IPC-S registrado em 2009 (3,95%).

A redução no ritmo de alta, no final do ano, refletiu, de acordo com a FGV, uma acomodação de preços nos itens alimentícios, que haviam iniciado dezembro em alta de 2,72%, e encerraram o mês em 1,43%. Ao longo do ano, no entanto, a taxa alcançou 9,85%, superando o IPC-S médio.

Entre a terceira prévia e o fechamento de dezembro, os principais produtos que ajudaram a conter a inflação foram: carnes bovinas (de 5,41% para 2,71%), arroz e feijão (de -3,42% para -4,77%), frutas (de 3,28% para 2,32%) e adoçantes (de 8,73% para 6,41%). (Thaís Leitão, da Agência Brasil)



Últimas

2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB
2020/11/24 » Guedes anuncia que vai para o "ataque" com privatizações e reformas
2020/11/23 » Mais de 60% dos internautas no país usam serviços públicos digitais
2020/11/23 » Guia de financiamento ajuda empresas interessadas em sustentabilidade
2020/11/23 » Em reunião do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende
2020/11/20 » Economia cresceu 7,5% do segundo para o terceiro trimestre, diz FGV
2020/11/20 » Produção e empregos estão em alta na indústria, diz CNI
2020/11/20 » Confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro, diz CNC
2020/11/18 » Aumento de exportações industriais traria R$ 376 bi para economia
2020/11/18 » Quase dois terços das indústrias esperam faturar mais em 2021
2020/11/18 » Brics apoia candidatura do Brasil para Conselho de Segurança da ONU
2020/11/17 » Pix terá pagamentos programados e troco em dinheiro
2020/11/17 » PagTesouro começa a disponibilizar Pix como forma de pagamento
2020/11/17 » Consulta pública busca soluções digitais para pequena e média empresa
2020/11/16 » Pix: novo sistema de pagamento instantâneo entra em funcionamento
2020/11/16 » Índice de Confiança do Empresário Industrial sobe em novembro
2020/11/16 » Atividade econômica tem crescimento de 9,47% no terceiro trimestre
2020/11/13 » BNDES tem lucro de R$ 8,73 bilhões no terceiro trimestre
2020/11/13 » Consumo de energia volta a níveis pré-pandemia no Brasil

Ver mais »