Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Bancos e fundos de investimentos detêm maior parte da dívida pública 22/02/2011

Os bancos e os fundos de investimento detêm a maior parte dos títulos da dívida pública interna. Segundo levantamento inédito divulgado hoje (22) pelo Tesouro Nacional, os bancos concentravam 35,4% da dívida interna em janeiro (R$ 536,03 bilhões) e os fundos respondiam por 31,3% (R$ 475,27 bilhões).

Em terceiro lugar, estão os fundos de pensão, com 14,8% (R$ 224,48 bilhões). Os estrangeiros responderam por 12% (R$ 182 bilhões); e as seguradoras, por 4% (R$ 60,99 bilhões). Os demais investidores concentraram 2,5% (R$ 37,43 bilhões).

Em relação aos investidores estrangeiros, a participação de 12% é recorde. Em valores absolutos, no entanto, a quantia diminuiu R$ 430 milhões em relação a dezembro. “O aumento percentual ocorreu porque o volume total da dívida interna caiu em janeiro”, ressaltou o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido. A dívida pública mobiliária (em títulos) interna caiu de R$ 1,603 trilhão em dezembro para R$ 1,542 trilhão em janeiro.

O aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para investidores estrangeiros no fim do ano passado, afirmou Garrido, ainda não diminuiu a fatia dos estrangeiros na dívida interna, mas estabilizou a participação desses aplicadores nos papéis brasileiros. “O fluxo de entradas foi interrompido [após o aumento do IOF], mas as saídas não ocorreram, o que manteve o estoque relativamente estável nos últimos meses”.

Até o fim do ano passado, o Tesouro Nacional divulgava apenas a participação dos estrangeiros na dívida pública interna. A série histórica dos demais tipos de participantes, no entanto, ainda está sendo elaborada pelo órgão.

O levantamento mostrou ainda que os bancos preferem os títulos prefixados (corrigidos com antecedência), os fundos de investimento aplicam mais em papéis vinculados à Selic e os fundos de previdência apostam em títulos atrelados a índices de preços. Todas as categorias aplicam em papéis de longo prazo, com 66% da carteira de investimento em títulos com mais de um ano de vencimento. (Wellton Máximo, da Agência Brasil)



Últimas

2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens

Ver mais »