Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Bancos e fundos de investimentos detêm maior parte da dívida pública 22/02/2011

Os bancos e os fundos de investimento detêm a maior parte dos títulos da dívida pública interna. Segundo levantamento inédito divulgado hoje (22) pelo Tesouro Nacional, os bancos concentravam 35,4% da dívida interna em janeiro (R$ 536,03 bilhões) e os fundos respondiam por 31,3% (R$ 475,27 bilhões).

Em terceiro lugar, estão os fundos de pensão, com 14,8% (R$ 224,48 bilhões). Os estrangeiros responderam por 12% (R$ 182 bilhões); e as seguradoras, por 4% (R$ 60,99 bilhões). Os demais investidores concentraram 2,5% (R$ 37,43 bilhões).

Em relação aos investidores estrangeiros, a participação de 12% é recorde. Em valores absolutos, no entanto, a quantia diminuiu R$ 430 milhões em relação a dezembro. “O aumento percentual ocorreu porque o volume total da dívida interna caiu em janeiro”, ressaltou o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Fernando Garrido. A dívida pública mobiliária (em títulos) interna caiu de R$ 1,603 trilhão em dezembro para R$ 1,542 trilhão em janeiro.

O aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para investidores estrangeiros no fim do ano passado, afirmou Garrido, ainda não diminuiu a fatia dos estrangeiros na dívida interna, mas estabilizou a participação desses aplicadores nos papéis brasileiros. “O fluxo de entradas foi interrompido [após o aumento do IOF], mas as saídas não ocorreram, o que manteve o estoque relativamente estável nos últimos meses”.

Até o fim do ano passado, o Tesouro Nacional divulgava apenas a participação dos estrangeiros na dívida pública interna. A série histórica dos demais tipos de participantes, no entanto, ainda está sendo elaborada pelo órgão.

O levantamento mostrou ainda que os bancos preferem os títulos prefixados (corrigidos com antecedência), os fundos de investimento aplicam mais em papéis vinculados à Selic e os fundos de previdência apostam em títulos atrelados a índices de preços. Todas as categorias aplicam em papéis de longo prazo, com 66% da carteira de investimento em títulos com mais de um ano de vencimento. (Wellton Máximo, da Agência Brasil)



Últimas

2021/01/27 » Pandemia e fim dos auxílios podem reverter retomada econômica
2021/01/27 » Confiança na construção civil recua depois de seis altas, diz FGV
2021/01/27 » Confiança do consumidor cai pelo quarto mês consecutivo
2021/01/27 » Custo da construção sobe 0,93% em janeiro, anuncia a FGV
2021/01/26 » Micro e pequenas empresas têm até sexta-feira para aderir ao Simples
2021/01/26 » Queda na arrecadação foi “resultado excelente”, diz Guedes
2021/01/26 » Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC

Ver mais »