Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Diretor do FMI defende aumento da poupança interna para reduzir juros e conter queda do dólar 03/03/2011

A redução dos juros no Brasil não depende apenas dos cortes fiscais e da política monetária, avaliou hoje (3) o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn. Segundo ele, o país também precisa aumentar a taxa de poupança interna tanto no setor público como no setor privado, para diminuir os juros no médio e no longo prazo.

Strauss-Kahn fez o comentário depois de se reunir com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele defendeu o aumento dos juros básicos pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, afirmando que o reajuste da taxa Selic para 11,75% ao ano era necessário para esfriar a economia brasileira e conter a inflação. “A posição adotada pela autoridade monetária era a postura correta”, afirmou.

Sobre os riscos do aumento de juros para a taxa de câmbio, que estimula a entrada de dólares e torna a moeda norte-americana mais barata, o diretor-gerente do FMI afirmou que a apreciação do real é consequência do sucesso da economia brasileira diante da crise econômica mundial. Na avaliação dele, o crescimento acima da média mundial estimulou a entrada de investimentos estrangeiros, tanto na forma de investimentos diretos, que geram emprego, como de capital financeiro volátil.

O diretor-gerente do FMI defendeu a emissão de até US$ 600 bilhões pelo banco central norte-americano para estimular a economia dos Estados Unidos. A medida é criticada pelo Brasil e pelos demais países do Bric – Índia, Rússia e China – porque torna o dólar mais barato, desestimulando as exportações e dificultando a obtenção de saldos positivos na balança comercial.

“Todo o mundo depende de que os Estados Unidos cresça. Se a economia norte-americana quebrar, arrasta todo o planeta junto”, advertiu. Ele reconheceu que a emissão de dólares traz problemas cambiais para países exportadores, mas alegou que os países devem tomar medidas de longo prazo para baixar os juros, como o estímulo à poupança.

“Em fases de sucesso, é inevitável que haja atração de capital, mas os juros seriam mais baixos se a poupança [do setor público e do setor privado] fosse mais alta. Não basta olhar apenas para o bode expiatório da facilitação quantitativa como as causas para o câmbio valorizado”, ressaltou Strauss-Kahn. (Wellton Máximo, da Agência Brasil)



Últimas

2021/04/19 » O que é Ibovespa
2021/04/19 » Setor energético terá investimentos de R$ 3 tri até 2030, diz ministro
2021/04/19 » Banco Central altera norma para segunda fase do open banking
2021/04/16 » Serviços registram crescimento de 3,7% em fevereiro, diz IBGE
2021/04/16 » LDO de 2022 destravará gastos com obras em caso de atraso no Orçamento
2021/04/16 » Projeto da LDO prevê crescimento de 2,5% para o próximo ano
2021/04/16 » Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real
2021/04/16 » Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
2021/04/16 » IGP-10 acumula inflação de 31,74% em 12 meses, diz FGV
2021/04/15 » Abertura de empresas bate recorde em 2020, diz Serasa
2021/04/15 » Indicador Antecedente tem queda de 2,2% em março, revela FGV
2021/04/15 » Vendas nos supermercados têm alta de 5,18% em fevereiro
2021/04/15 » Economia abre consulta pública para debater nova Lei de Licitações
2021/04/15 » Impacto da pandemia é maior para trabalhadores jovens, diz Ipea
2021/04/15 » Confiança do empresário cai pelo quarto mês seguido, diz CNI
2021/04/14 » Mais de 620 mil micro e pequenas empresas foram abertas em 2020
2021/04/14 » Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea
2021/04/14 » Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril, aponta Procon-SP
2021/04/14 » Comércio varejista cresce 0,6% em fevereiro, diz IBGE
2021/04/13 » Calendário de restituições não muda com novo prazo do Imposto de Renda

Ver mais »