Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Na China, Patriota reconhece que moeda subvalorizada atrapalha relações comerciais com o Brasil 04/03/2011

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reconheceu hoje (4) que há dificuldades nas relações entre Brasil e China em decorrência da baixa cotação da moeda que afeta as negociações comerciais entre os dois países. No entanto, o chanceler disse que há “mecanismos apropriados para as discutir”. Patriota está em Pequim onde organiza a visita da presidenta Dilma Rousseff que irá à China em abril.

“Reconhecemos que possa haver algumas dificuldades devido à taxa de câmbio [do yuan], mas os dois países têm os mecanismos apropriados para as discutir e não querem perder de vista o conjunto das relações”, afirmou Patriota. As informações são da agência pública de Portugal, Lusa.

Para empresários brasileiros, o yuan está “artificialmente subavaliado” para favorecer as exportações chinesas. “O Brasil deseja diversificar as exportações para a China e atrair investimento chinês para áreas produtivas e importantes infraestruturas”, disse Patriota.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil, com intercâmbio de US$ 56 bilhões em 2010, representando um crescimento de 55,1% em relação a 2009. O saldo comercial é favorável ao Brasil, tendo alcançado mais de US$ 5 bilhões no ano passado. Em 2010, a China foi o maior investidor estrangeiro no Brasil.

Em entrevista coletiva concedida hoje, Patriota afirmou que Brasil e China “têm uma verdadeira parceria estratégica” e que “ambos os governos desejam promover as relações em um nível mais alto”. Por dois dias, o chanceler se reuniu com o ministros das Relações Exteriores da China, Yang Jiechi, e do Comércio, Chen Deming, além do primeiro-ministro, Wen Jiabao. Segundo Patriota, tanto o governo da China quanto do Brasil “querem ampliar as relações bilaterais”.

A visita de Dilma à China está marcada para os dias 13, 14 e 15 de abril. Há previsão de reuniões com o presidente da China, Hu Jintao, ministros e executivos chineses. A principal questão a ser abordada deve ser a queixa dos empresários brasileiros, que reclamam do baixo preço dos produtos chineses que chegam ao Brasil.

Também há negociações para mais parcerias nas áreas de minério de ferro e aço do Brasil para a China. Nos três dias em que estiver no país asiático, Dilma participará também de uma reunião com os líderes da Índia, Rússia, além da África do Sul, que passará a integrar oficialmente o bloco do Bric. (Renata Giraldi, da Agência Brasil)



Últimas

2021/04/23 » Micro e pequenas empresas podem pagar Simples com Pix
2021/04/23 » BC aprova obrigatoriedade de bancos ofertarem Pix por agendamento
2021/04/23 » Banco Central flexibiliza limites e regras para arranjos de pagamento
2021/04/23 » Governo autoriza segunda rodada de excedentes da cessão onerosa
2021/04/23 » Produção do setor mineral cresce 15% no primeiro trimestre
2021/04/23 » Confiança da indústria cai 1,1 ponto na prévia de abril, diz FGV
2021/04/22 » Mudanças nas normas cambiais abrem caminho para Pix internacional
2021/04/22 » Produção e vendas internas de aço crescem no primeiro trimestre
2021/04/22 » Arrecadação de março superou as melhores expectativas, diz Guedes
2021/04/22 » Arrecadação federal sobe 18,5% e bate recorde para meses de março
2021/04/22 » Operadoras de turismo perdem dois terços do faturamento em 2020
2021/04/22 » CNC: Intenção de Consumo das Famílias volta a cair em abril
2021/04/22 » FGV: aumento de 1,4% no PIB mostra que economia continua a crescer
2021/04/22 » Peac Maquininhas liberou R$ 3,19 bilhões em 2020
2021/04/20 » Governo destinará até R$ 15 bi para relançar BEm e Pronampe
2021/04/20 » Atividade econômica cresce 1,7% em fevereiro, diz BC
2021/04/20 » Mercado financeiro prevê inflação em 4,92% neste ano
2021/04/19 » O que é Ibovespa
2021/04/19 » Setor energético terá investimentos de R$ 3 tri até 2030, diz ministro
2021/04/19 » Banco Central altera norma para segunda fase do open banking

Ver mais »