Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Indústrias japonesas no Brasil podem aumentar remessa de lucro para matrizes 17/03/2011

A catástrofe que atingiu o Japão nos últimos dias pode ter reflexo nas indústrias japonesas instaladas no Brasil. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet), Luís Afonso Lima, o aumento das remessas de lucro das filiais às matrizes é uma alternativa rápida para cobrir os estragos causados pela tragédia provocada por um terremoto de 9 graus da escala Richter, um tsunami e um grave acidente nuclear em uma das centrais de geração de energia do Norte do Japão.

“Essa tragédia foi uma situação inesperada. As matrizes vão precisar de mais recursos para atender aos compromissos firmados no curto prazo. Como muitas fábricas estão paradas, existe data para pagamento das despesas, mas não há receita, porque não estão produzindo. Com isso, antes de deixar de honrar as dívidas, [as empresas japonesas] vão buscar lucros nas empresas filiadas em outros países, como o Brasil”, afirmou. Além disso, investimentos anunciados anteriormente serão revistos. “O país vai passar por um período de mudança qualitativa e quantitativa no valor industrial”, acrescentou.

Segundo a Embaixada do Japão no Brasil, cerca de 350 empresas japonesas estão instaladas no país atualmente. Dados da Sobeet apontam que do total, 60% correspondem a indústrias, sendo 16% montadoras de veículos. São Paulo reúne 59% das companhias, seguido por Rio de Janeiro e Minas Gerais, com 16% e 10%, respectivamente.

Para o conselheiro-chefe do Departamento Econômico da embaixada japonesa, Nobuharu Imanishi, ainda é difícil precisar se o aumento da remessa de lucro será necessário. “Uma tragédia dessa magnitude nunca aconteceu no Japão. Não temos essa informação, mas as principais indústria estão sólidas. A curto prazo, o governo vai assegurar estabilidade do povo japonês sem medir esforços”, garantiu.

De acordo com o consultor de empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM) Teruaki Yamagishi, o esforço de recuperação ocorrerá por parte do governo japonês e não das filiais sediadas em outros países. “Não acredito em aumento de remessa de lucro por parte das empresas que estão no Brasil. Eu acredito que o governo vá cobrir os prejuízos sofridos”, disse. No entanto, a situação é instável. “Estamos preocupados já que grandes empresas estão paralisadas. Ainda não podemos avaliar uma solução de forma definitiva já que os terremotos continuam acontecendo”, completou. O Amazonas sedia 7% do total de empresas japonesas no Brasil. (Luciene Cruz, da Agência Brasil)



Últimas

2020/01/24 » Déficit primário pode ser zerado até 2022, diz secretário
2020/01/24 » Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019
2020/01/24 » Confiança do empresário é a maior desde junho de 2010, diz CNI
2020/01/22 » CNC: intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015
2020/01/22 » Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro
2020/01/22 » Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial
2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento

Ver mais »