Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Patriota reconhece que relação com os Estados Unidos esfriou por causa do Irã, mas defende reabertura de negociações 17/03/2011

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reconheceu hoje (17) que as divergências entre Brasil e Estados Unidos sobre a condução da política externa em relação ao Irã afastaram os dois países. O chanceler defendeu que a adoção de sanções ao governo do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, pela comunidade internacional surtiu efeito contrário ao que previa o acordo negociado pelo Brasil e pela Turquia.

“Esfriaram as relações [entre o Brasil e os Estados Unidos] possivelmente porque houve uma incompreensão [sobre os esforços que o Brasil e a Turquia] conseguiram produzir algum resultado”, disse Patriota.

Para o chanceler, a comunidade internacional deve mudar a forma de negociar com o Irã excluindo a adoção de sanções e buscando uma nova base de articulações. “Na medida em que o impasse persiste, a conversa pode prosseguir em uma nova base: sanções não produziram resultados”, disse.

“No Irã, as sanções não contribuíram [para avançar nas discussões sobre o programa nuclear do país] enquanto a iniciativa levada pelo Brasil e pela Turquia teria produzido [outros efeitos]. Foi uma oportunidade perdida. [Mas] continuaremos a debater a questão do Irã, mantendo o contato com essa variedade [de opiniões].”

Em maio do ano passado, foi negociado um acordo para envio de urânio iraniano levemente enriquecido para o território turco e, em troca, o país receberia o produto enriquecido a 20%. Pelo acordo, o urânio enriquecido a 20% deverá ser remetido no prazo de um ano. Nesse período, haverá supervisão de inspetores turcos e iranianos.

Desde junho de 2010, o Irã está submetido a uma série de sanções impostas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas que afetam, sobretudo, as áreas comercial, econômica e militar do país. Os representantes do Brasil e da Turquia votaram contra as restrições, enquanto o Líbano se absteve. (Renata Giraldi, da Agência Brasil)



Últimas

2020/01/24 » Déficit primário pode ser zerado até 2022, diz secretário
2020/01/24 » Arrecadação federal com impostos chega a R$ 1,537 trilhão em 2019
2020/01/24 » Confiança do empresário é a maior desde junho de 2010, diz CNI
2020/01/22 » CNC: intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015
2020/01/22 » Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro
2020/01/22 » Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial
2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento

Ver mais »