Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Exportadores esperam que visita de Obama ajude a equilibrar comércio entre Brasil e EUA 17/03/2011

É grande a expectativa dos exportadores brasileiros em torno da visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil neste fim de semana. Para o presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior (Abracex), Roberto Segatto, será o primeiro passo para equilibrar as relações comerciais entre os dois países. “O governo tem que fazer uma análise das reais necessidades e aproveitar o momento para ter benefícios e melhorar a balança comercial, que está deficitária”, avaliou.

De 2000 a 2010, a balança comercial entre os dois países passou de um superávit em favor do Brasil de US$ 290 milhões para um déficit de mais de US$ 7,7 bilhões, de acordo com dados consolidados do ano passado. Mesmo tendo perdido para China a posição de maior parceiro comercial brasileiro, os Estados Unidos foram o principal importador de produtos brasileiros. O Brasil exportou US$ 19,4 bilhões e importou US$ 27,2 bilhões. E os primeiros resultados do ano mostram que a relação deficitária se mantém em 2011. Em janeiro, as exportações brasileiras para os estados Unidos cresceram 21% frente o mesmo mês de 2010. Mas as importações subiram 36% no mesmo período. O saldo é deficitário em US$ 646 milhões.

No entanto, o presidente da Abracex não acredita que a visita de Obama se reverterá em medidas benéficas para o Brasil no curto prazo. “Aqui [no Brasil] as coisas são difíceis de acontecer rapidamente. A ideia é que essa aproximação entre os dois países determine que o tempo de espera seja menor”, emendou Segatto.

Para o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, a visita vai beneficiar mais os Estados Unidos que o Brasil. “É politicamente positivo os Estados Unidos mostrarem ao mundo que têm prestígio com o Brasil, que caminha para se tornar o quinto país economicamente mais fortalecido”, disse. Para ele, o desequilíbrio da relação comercial com o Brasil não deve ser alterado rapidamente. “O déficit tem ocorrido há dois anos, consequência do real valorizado e da demanda aquecida pelo mercado interno. Eles não vão deixar de vender”.

Na opinião do executivo, esta é a oportunidade para reivindicar a quebra de barreiras tarifárias dos produtos brasileiros. “Temos que pedir a redução ou liberação de tarifas de alguns produtos como etanol, aço e suco de laranja, por exemplo”. Os Estados Unidos protegem o mercado interno de etanol à base de milho, considerado menos eficiente que o brasileiro, a base de cana-de-açúcar.

O óleo bruto foi o principal produto brasileiro vendido aos Estados Unidos no ano passado. Em 2010, a venda externa somou US$ 3,8 bilhões e representou 19,8% do total exportado pelo país. Também merecem destaque café em grão e pastas químicas de madeira, que ocupam a segunda e terceira posição na lista de produtos exportados, respectivamente. Entre as importações, o óleo combustível liderou as compras, com 6,6% do total ao custo de US$ 1,8 bilhão. A importação de motores e turbinas para aviação custou US$ 1,5 bilhão ao Brasil. Os medicamentos somaram US$ 1,2 bilhão.

O vice-presidente da AEB ressaltou que o Brasil deve fechar acordos, e não promessas, considerando que a vinda do presidente norte-americano se tornou um evento. “As ações da visita têm mais caráter de política de boa vizinhança. Fazer discurso na favela onde a maior parte dos ouvintes não vai entender o que ele [Obama] disser e visita ao Pão de Açúcar não vão mudar a atual desigualdade comercial”, criticou Castro. (Luciene Cruz, da Agência Brasil)



Últimas

2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp
2021/01/11 » Vendas de veículos caem 26,2% em 2020, diz Anfavea
2021/01/11 » Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus
2021/01/08 » ANP: 17ª Rodada de Licitações oferece 92 blocos em bacias marítimas

Ver mais »