Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Água determinará localização de empresas no futuro, diz professor 22/03/2011

A água deverá ser, no futuro, um fator determinante para a localização das empresas, avalia o professor da Universidade do Novo México (Estados Unidos), Raul Govêa. “A realocação dessas atividades para as regiões intensivas de água, para mim, faz muito sentido”, disse.

O professor destacou que atualmente a maior parte do parque industrial está localizada na Região Sudeste, que sofre um “forte estresse hídrico”. A região concentra 43% da população brasileira, mas apenas 6% da água doce disponível no país. No Norte estão localizados 68% dos recursos hídricos nacionais e apenas 5% da população.

Por isso, Raul acredita que haverá no futuro uma necessidade de deslocamento das atividades industriais no país. Para ele, um movimento semelhante também deverá ocorrer em nível internacional, com as empresas mudando os polos de produção para nações com maior disponibilidade hídrica. “Em algum momento, os países que têm água vão crescer a taxas maiores dos que não têm.”

Em 2050, três quartos da população mundial sentirão os efeitos da falta de água, de acordo com o professor. Nesse contexto, Govêa lembrou que a posição do Brasil é privilegiada, com 12% da água doce de superfície e 30% da subterrâneas.

A exploração desses recursos tem de ocorrer, no entanto, seguindo normas que garantam a sustentabilidade dos empreendimentos. “Esse é o modelo de aceitação de investimento que a gente vai ter. E a penalidade vai ser muito alta se você em algum momento poluir esses rios”, ressaltou Govêa, referindo-se especialmente à Região Norte.

O professor avaliou que o desenvolvimento industrial com boas práticas pode ser benéfico para a conservação dos rios e matas da Amazônia. “A Região Norte precisa criar empregos de alto nível de renda para que essas pessoas não se sintam levadas a começar a se engajar em atividades que não sejam tão sustentáveis assim”, defendeu ao participar da Conferência Internacional Wits 2011 – Água, Inovação, Tecnologia & Sustentabilidade, na semana passada.

Ele lembra que existem poucas opções de renda para os moradores daquela região. “A gente quer que as pessoas lá tenham empregos mais dignos e um nível de renda mais alto, em uma região que é hoje a fronteira econômica do Brasil”, afirma. (Daniel Mello, da Agência Brasil)



Últimas

2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro

Ver mais »