Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Sensação de insegurança nem sempre reflete os índices de criminalidade, aponta Ipea 30/03/2011

A redução das taxas de criminalidade nem sempre é o bastante para que os cidadãos se sintam mais seguros. É o que aponta um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre como a população brasileira percebe a violência. Segundo a pesquisa, a sensação de insegurança e a desconfiança em relação às forças policiais tendem a ser maiores entre as pessoas com maior nível de instrução e, também, entre os mais jovens.

Ao apresentar os resultados da pesquisa, o técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea Almir de Oliveira Júnior destacou algumas contradições que chamam a atenção quando os resultados obtidos nas diferentes regiões brasileiras são comparados. Como exemplo, ele cita que, diferentemente do que muitos acreditam, a Região Sudeste não é a mais violenta do país.

Embora a Região Sudeste seja, hoje, a que registra o menor índice de homicídios dolosos do país (taxa de 16,43 ocorrências por grupo de 100 mil habitantes) e os estados de São Paulo e Rio de Janeiro tenham conseguido reduzir este tipo de crime entre 2008 e 2009, a sensação de insegurança da população ainda é maior que a dos habitantes das regiões Centro-Oeste e Sul. As duas regiões apresentam números piores que a média nacional: respectivamente 25,4 e 21,77 assassinatos por 100 mil habitantes, enquanto a média nacional é de 22,4 por 100 mil habitantes.

“Seria de se esperar que a sensação de segurança na Região Sudeste fosse maior que no Centro-Oeste, mas o que acontece é justamente o contrário. No Sudeste, as pessoas não confiam mais nas suas polícias”, comentou Júnior, frisando que apenas 24,8% dos entrevistados da Região Sudeste disseram confiar nas forças policiais de seu estado, contra 45,1% que responderam confiar pouco e 30% que simplesmente afirmaram não confiar. Já nas regiões Centro-Oeste e Nordeste os níveis de confiança são maiores (41,3% e 29,9%, respectivamente).

Embora admita que é difícil estabelecer uma relação direta entre sensação de segurança, investimentos governamentais e quantidade de policiais nas ruas (um fator que nem sempre resulta em redução das taxas de criminalidade), Oliveira Júnior afirma que a percepção da violência e o medo de morrer assassinado seguem as taxas de homicídios locais. As duas regiões com maiores taxas de homicídios dolosos, a Norte (29,5 por 100 mil habitantes) e a Nordeste (29,3), são também as regiões onde a população mais teme a morte por assassinato.

Oliveira Júnior considera que, apesar de melhorias pontuais, a taxa de criminalidade brasileira ainda é muito alta e que isso, sem dúvida, se reflete no medo que as pessoas sentem. "Temos, por exemplo, uma taxa de homicídios entre os jovens que é uma das dez maiores do mundo. Nossa taxa de homicídios é maior do que as de muitos países em guerra. E isso acaba tendo um reflexo, é claro, na percepção negativa do trabalho das polícias", concluiu. (Alex Rodrigues, da Agência Brasil)



Últimas

2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB
2020/11/24 » Guedes anuncia que vai para o "ataque" com privatizações e reformas
2020/11/23 » Mais de 60% dos internautas no país usam serviços públicos digitais
2020/11/23 » Guia de financiamento ajuda empresas interessadas em sustentabilidade
2020/11/23 » Em reunião do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende
2020/11/20 » Economia cresceu 7,5% do segundo para o terceiro trimestre, diz FGV
2020/11/20 » Produção e empregos estão em alta na indústria, diz CNI
2020/11/20 » Confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro, diz CNC
2020/11/18 » Aumento de exportações industriais traria R$ 376 bi para economia
2020/11/18 » Quase dois terços das indústrias esperam faturar mais em 2021

Ver mais »