Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Choque de oferta e demanda aquecida estimulam alta dos preços 01/04/2011

Dirigindo 150 quilômetros por dia entre a casa, o trabalho e a escolha do filho, a servidora pública Sheyla Gonçalves, 38 anos, sentiu o peso do aumento dos combustíveis nos últimos meses. De R$ 400, a despesa saltou para R$ 600. Para reduzir o estrago no orçamento doméstico, ela pensa em cortar outras despesas. “Terei de restringir várias coisas, como lazer e vestuário”, constata Sheyla, que vive em Brasília.

Os combustíveis são um dos principais vilões da inflação, que fechou fevereiro em 6,36%, no acumulado de 12 meses pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), quase dois pontos acima do centro da meta de 4,5% para 2011. Para especialistas ouvidos pela Agência Brasil, um cenário de choque de oferta, combinado com uma demanda aquecida, e falhas na estrutura de mercado têm estimulado a alta nos preços, não apenas dos combustíveis.

O que se inicia como um encarecimento temporário, provocado por fatores externos, corre o risco de se espalhar pela economia por meio de reajustes generalizados. “Atualmente, não sei o que não está contribuindo para a inflação”, diz o economista-chefe da corretora Convenção, Fernando Montero. “Um choque de oferta em meio a uma demanda aquecida torna a inflação mais persistente.”

Segundo o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro Reinaldo Gonçalves, boa parte da inflação atual têm origens no exterior. Do segundo semestre de 2009 para cá, o aumento na demanda por alimentos em todo o mundo impulsionou o preço dos bens primários no mercado internacional. Esse processo impulsiona os produtores rurais a exportarem. Ao sobrarem menos bens no mercado interno, os preços sobem para os brasileiros.

Um dos produtos mais afetados por esse processo é a cana-de-açúcar. Por causa da alta do açúcar no exterior, os usineiros preferem vender o produto no exterior a produzir etanol. A entressafra impactou ainda mais nos preços nas bombas de combustível. De acordo com a Agência Nacional de Petróleo (ANP), somente em Mato Grosso é vantajoso abastecer com álcool. Quem abastece com gasolina também sente os efeitos porque o combustível é misturado ao etanol.

Na avaliação de Gonçalves, existe outra falha de mercado que agrava a alta dos preços dos combustíveis: a cartelização dos postos de combustível em diversas cidades do país. “O Brasil tem uma institucionalidade frágil, o que estimula abusos econômicos”, ressalta.

Para ele, uma medida eficiente seria a taxação das exportações de açúcar para coibir o aumento do preço do etanol. “Essa seria a medida ideal, mas a elite agrícola que compõe parte da base do governo no Congresso [Nacional] não deixaria”.

Para o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, Adriano Pires, fatores internos também contribuíram para o encarecimento dos combustíveis. O aquecimento da economia e os estímulos para a compra de veículos concedidos durante a crise de 2009 pioraram a situação. “Existe um problema de estrutura de mercado porque o consumo de etanol aumentou 60,9% e a produção subiu 30,8%, de 2007 para cá”, ressalta.

De acordo com Pires, o aumento nos combustíveis só não foi maior porque o governo resolveu segurar a alta no preço do petróleo no mercado provocada pelas turbulências no Oriente Médio e no Norte da África. Segundo ele, no entanto, a ação tem um efeito colateral. “A tentativa de segurar a inflação traz prejuízo para a Petrobras, o que prejudica os investimentos no pré-sal”, avalia.

As principais vítimas dos choques de oferta são consumidores como o aposentado Otto Scherann, que, nos últimos meses, tem enfrentado a perda de poder aquisitivo sem conseguir entender o reajuste dos combustíveis. “O Brasil é autossuficiente em petróleo e o combustível é mais caro aqui do que fora. Tem alguma coisa errada”, queixa-se. (Wellton Máximo, da Agência Brasil)



Últimas

2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI

Ver mais »