Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Para lojistas, aumento do IOF será inócuo para o controle de preços 08/04/2011

As novas medidas anunciadas pelo governo para restringir o acesso ao crédito terão um forte impacto no comércio varejista, mas não vão resolver o problema da inflação, acredita o presidente da Confederação Nacional dos Diretores Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior. Segundo ele, se a justificativa for apenas o controle de preços, a medida será inócua.

Pellizzaro Junior destacou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março (0,79%), divulgado ontem (7), foi mais pressionado por produtos e serviços “não afetos” à restrição de crédito, como alimentação, transporte e aluguel. “Não acredito que isso vá servir como uma maneira de brecar essa pressão inflacionária que está acontecendo”, enfatizou.

Ontem à noite, em São Paulo, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou que, a partir de hoje (8), a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para operações de crédito de pessoa física passará de 1,5% para 3% ao ano, como forma de tentar frear a inflação. O decreto com a elevação foi publicado no Diário Oficial da União de hoje.

Pellizzaro Junior destacou que a pressão inflacionária é decorrente do sucesso da própria política econômica do governo, que aumentou o consumo. Além disso, com a definição do salário mínimo em R$ 545, mais R$ 40 bilhões serão injetados na economia.

“Isso sim vai gerar pressão inflacionária. Não tenho uma bola de cristal para saber qual a medida mais adequada, mas tenho a convicção de que o aumento de IOF como medida restritiva de crédito não vai segurar isso”, advertiu.

O ministro da Fazenda justificou a elevação do IOF como uma forma de restringir o consumo, que aumentou por causa do maior acesso ao crédito. Para o presidente da CNDL, os setores que sentirão mais o impacto da medida são os de automóveis e eletrodomésticos de grande porte. Ele disse, no entanto, que o aumento do imposto não terá impacto sobre a inflação nas vendas dos setores de alimentação, vestuário e calçados.

Pellizaro Junior orienta o consumidor a calcular bem o impacto das compras no orçamento. “Na verdade, ele vai ter que dar uma segurada. Vai ter que avaliar e procurar prazos menores para poder pagar menos juros e menos impostos. Na verdade, para o consumidor, o IOF tem o mesmo impacto dos juros”, disse. (Daniel Lima, da Agência Brasil)



Últimas

2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?
2020/02/12 » Comércio varejista fecha ano com alta de 1,8% nas vendas
2020/02/12 » Embrapa cria cenoura que dispensa agrotóxico
2020/02/12 » Conselho da Amazônia vai unificar ações do governo, diz Mourão
2020/02/11 » OMS nomeia infecção por coronavírus de Covid-19
2020/02/11 » Inflação do aluguel é de 6,86% em 12 meses
2020/02/11 » Portaria com novos valores dos benefícios do INSS é publicada no DO
2020/02/10 » Bombeiros recebem mais de 7 mil chamados devido às chuvas em São Paulo
2020/02/10 » Brasil e Japão assinam memorando para estimular judô nas escolas

Ver mais »