Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Boletim Focus prevê aumento no saldo comercial e menor déficit externo 11/04/2011

As expectativas para o saldo da balança comercial (exportações menos importações) continuam em alta. Pela quinta semana seguida, os analistas do mercado financeiro estimam saldo crescente, como mostra o boletim Focus divulgado hoje (11) pelo Banco Central (BC). A projeção da semana passada, que era de US$ 16,1 bilhões, aumentou para US$ 17,01 bilhões.

Isso favorece o balanço de conta-corrente externa, que envolve todas as transações comerciais e financeiras, e é deficitário para o Brasil. Há quatro semanas, o boletim Focus projetava déficit de US$ 65 bilhões este ano. O cálculo diminui há sete semanas, à medida que melhoram as perspectivas para o saldo comercial, e hoje a estimativa do déficit de conta-corrente aponta para US$ 62,2 bilhões, devendo subir para US$ 68,9 bilhões em 2012.

A pesquisa do BC também indica melhora na relação entre a dívida líquida do setor público e o Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas produzidas no país. A expectativa média dos analistas financeiros passou de 39,50% para 39,40% no final deste ano, devendo ceder para 38% em 2012. Quanto menor a relação, maior a saúde financeira do país.

O boletim Focus não mexeu na expectativa de crescimento do PIB este ano, que é de 4%, mas reduziu de 4,30% para 4,24% a projeção para o ano que vem. Os dados da pesquisa mostram, porém, que haverá pequena redução do crescimento da produção industrial este ano, de 4,08% para 4,05%, e ligeira elevação em 2012, de 4,65% para 4,68%.

A pesquisa melhorou de US$ 44 bilhões para US$ 45 bilhões a perspectiva de entrada de investimento estrangeiro direto (IED) no setor produtivo este ano, e elevou de US$ 43,85 bilhões para US$ 44,85 bilhões a projeção para 2012. Em contrapartida, baixou a expectativa de cotação do dólar norte-americano, de R$ 1,70 para R$ 1,68 no final deste ano, e de R$ 1,75 para R$ 1,72 no final do ano que vem.

Essas projeções consideram mais uma correção na taxa básica de juros (Selic), que está em 11,75% ao ano, e deve ser elevada para 12,25% na reunião que o Comitê de Política Monetária (Copom) realizará na próxima semana, segundo o boletim Focus. De acordo com os analistas financeiros, a taxa de juros permanecerá nesse patamar, com possibilidade de diminuir para 11,50% no decorrer de 2012. (Stênio Ribeiro, da Agência Brasil)



Últimas

2020/08/07 » MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
2020/08/07 » Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia
2020/08/07 » Senai ensina indústrias a produzirem EPI contra novo coronavírus
2020/08/06 » Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
2020/08/06 » Baixa inflação permitiu corte nos juros, avaliam entidades
2020/08/06 » Copom reduz juros básicos da economia para 2% ao ano
2020/08/05 » Dezenas de empresas aderem à Semana Brasil 2020
2020/08/05 » Semana Brasil terá edição 2020 e deve ajudar na retomada da economia
2020/08/05 » Governo de Osaka planeja estudar eficácia de gargarejo no combate ao coronavírus
2020/08/04 » BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas
2020/08/04 » Balança comercial tem superávit recorde de US$ 8,06 bilhões em julho
2020/08/04 » Governo economiza R$ 466 milhões com a máquina pública na pandemia
2020/08/03 » Japonesa Seven & i Holdings pagará US$ 21 bilhões pela rede americana Speedway
2020/08/03 » Fábricas de veículos no Japão retornam gradualmente à produção normal
2020/08/03 » Covid-19: OMS prevê que pandemia durará muito tempo
2020/08/03 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante a pandemia
2020/07/31 » Auxílio emergencial elevou em 24% renda pré-pandemia, mostra pesquisa
2020/07/31 » Ministro da Infraestrutura diz que Brasil vive revolução ferroviária
2020/07/31 » Petrobras reduz em 4% preço da gasolina nas refinarias nesta sexta
2020/07/30 » Confira pagamentos e tributos adiados ou suspensos durante a pandemia

Ver mais »