Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Ministra diz que ajuda dos prefeitos será essencial para plano de erradicação da miséria 11/05/2011

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, disse hoje (11), em Brasília, que, a exemplo da cooperação das prefeituras com o Programa Bolsa Família, a participação delas no desenvolvimento e na implementação do Plano Brasil sem Miséria será fundamental para o sucesso da iniciativa que o governo federal promete lançar em breve.

Segundo a ministra, a intenção do governo é discuti-lo com os prefeitos antes de apresentá-lo à sociedade. "Nossa ideia não é impor um plano pronto, mas sim pactuá-lo, principalmente com os prefeitos, que serão importantes para sua implementação", explicou a ministra durante a 14ª Marcha dos Prefeitos.

 

Tereza Campello voltou a explicar que o Brasil sem Miséria irá integrar as várias ações federais de combate à miséria – transferência de renda, acesso a serviços públicos e inclusão produtiva – voltadas prioritariamente às famílias que vivem em extrema pobreza, ou seja, com renda per capita mensal de até R$ 70.

 

De acordo com a ministra, erradicar a condição de extrema pobreza que, conforme o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atinge 16,2 milhões de brasileiros, exige, além da continuidade do crescimento econômico com distribuição de renda, políticas públicas de inclusão e desenvolvimento social. Por isso, entre os principais objetivos do Plano Brasil dem Miséria estão elevar a renda familiar per capita, ampliar o acesso aos serviços públicos, às ações de cidadania e às oportunidades geradas por políticas e projetos públicos.

 

"Não basta [o país] crescer [economicamente] para incluir estes 16,2 milhões brasileiros. Eles não serão naturalmente incluídos. Precisa do apoio do Estado brasileiro para superar sua condição de vulnerabilidade", afirmou Tereza Campello, garantindo que o plano não implicará em qualquer mudança nas prioridades do governo federal na área social.

 

"Não estamos falando em modificar a forma como o Estado vem atuando. Nossos planos, nossos programas, como o Bolsa Família e os das áreas da Saúde e da Educação, continuam", garantiu a ministra, assegurando que o governo pretende continuar "ampliando e fortalecendo" o Programa Bolsa Família. (Alex Rodrigues, da Agência Brasil)



Últimas

2020/10/30 » Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz
2020/10/30 » CNI diz que setores mais otimistas são os de borracha e metalurgia
2020/10/30 » Criação de empregos em setembro atinge melhor nível em dez anos
2020/10/29 » Emprego na construção é o maior para setembro nos últimos oito anos
2020/10/29 » Representantes do setor da indústria aprovam decisão do Copom
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/29 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2020/10/28 » Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi
2020/10/28 » Programa para ampliar produtividade das empresas é retomado
2020/10/28 » Confiança da construção cresce 3,7 pontos em outubro, diz FGV
2020/10/27 » Guedes diz que acordos políticos dificultam privatizações
2020/10/27 » CMN aprova regulação simplificada para projetos inovadores
2020/10/27 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
2020/10/26 » Contas externas têm em setembro sexto mês seguido de saldo positivo
2020/10/26 » Petrobras inicia venda de campos terrestres em Sergipe
2020/10/26 » Banco Central registra recorde de remessas de dólares para o Brasil
2020/10/23 » Ministério da Infraestrutura entregará planos de logística até 2050
2020/10/23 » OMS: risco de pegar covid-19 em aviões é "muito baixo", mas não zero
2020/10/23 » Cresce pauta sobre home office nas negociações trabalhistas
2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos

Ver mais »