Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Setor de serviços foi responsável pelo maior número de empregos formais criados em 2010 11/05/2011

O setor de serviços foi o que registrou o maior aumento de empregos em 2010, segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada hoje (11) pelo Ministério do Trabalho. O setor foi responsável pela geração de 1,1 milhão de empregos. Em seguida, vêm o comércio, com 689,3 mil, e a indústria de transformação, com 524,6 mil. O único setor que registrou queda foi o da agricultura, com um resultado negativo de 18,1 mil postos de trabalho.

Segundo os dados da Rais, a Região Sudeste foi a que gerou o maior número de empregos (1,36 milhão), seguida da Nordeste (588 mil) e da Sul (479 mil).

Contudo, o maior número relativo de crescimento foi registrado na Região Norte, com um aumento de 9,90% em relação a 2009. Depois, vem a Região Nordeste, com 7,93%. Segundo o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, isso se deve a mudanças no mercado de trabalho brasileiro. “O fluxo migratório do Brasil está mudando. Essas regiões estão se industrializando muito, o crescimento do salário mínimo ajudou que essas pessoas voltassem para sua terra natal. E, com isso, há uma nova fotografia do mercado brasileiro”, analisou.

Os dados também mostram que houve crescimento de 7,28% na contratação de mulheres em 2010, em relação ao ano anterior. Entre os homens, houve aumento de 6,7%. A participação das mulheres no mercado de trabalho aumentou de 41,4%, em 2009, para 41,6%, no ano passado.

Segundo a Rais, também aumentou a participação no mercado de pessoas com ensino médio completo, de 40,05%, em 2009, para 41,85%, em 2010.

Além disso, no ano passado houve uma alta de 7,99% no número de contratações de pessoas com nível superior completo. Outro dado é que, pela primeira nos últimos cinco anos, o número de contratações de homens com formação de nível superior completo foi maior do que o de mulheres. O índice entre os profissionais do sexo masculino chegou a 9,22% e entre as pessoas do sexo feminino, a 7,13%.

O número de contratações de pessoas analfabetas teve queda de 2,61%. Segundo o ministro, isso se deve a uma “maior escolarização dos trabalhadores” e também a uma “maior exigência” por parte das empresas. (Roberta Lopes, da Agência Brasil)



Últimas

2020/10/22 » Confiança da indústria atinge maior nível em nove anos
2020/10/22 » Opas: América Latina não deve relaxar enfrentamento à pandemia
2020/10/22 » Faturamento do setor de turismo no Brasil tem redução de 33,6% em 2020
2020/10/21 » Setor mineral brasileiro tem resultado positivo no 3º trimestre
2020/10/21 » Decreto inclui Linha 2 do metrô de BH em programa de privatizações
2020/10/21 » Não investir no Brasil será um grande erro, afirma ministro
2020/10/21 » Inflação do aluguel sobe de 18,20% para 20,56% em 12 meses
2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI

Ver mais »