Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Brasil precisa de políticas macroeconômicas e de reforma tributária para ficar mais competitivo, avaliam economistas 18/05/2011

O Brasil carece de políticas integradas macroeconômicas e reforma tributária para tornar as exportações mais competitivas. A opinião foi consenso entre os participantes da mesa de debates esta manhã (18), durante o 23º Fórum Nacional, no Rio.

O ex-presidente do Banco Central e professor da USP Affonso Pastore defendeu que os ganhos de relações de trocas e a dependência da poupanças interna e externa condenam o Brasil a ter uma moeda mais forte do que se gostaria para o país ser mais competitivo na área de comércio exterior.

“No Brasil as poupanças domésticas são baixas e os investimentos dependem da complementação de poupanças externas que são absorvidas por meio de aumento de importações líquidas. Isso leva à valorização do câmbio real. Se não quisermos aumentar nossas poupanças, precisamos mudar o regime fiscal e cortar gastos para ganharmos competitividade”, disse.

Segundo Pastore, algumas soluções para o problema seriam: mudar o regime fiscal, cortar gastos, elevar a taxa de investimentos, reformar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), com a criação da uniformidade de alíquotas, por exemplo.

Para o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil, José Augusto de Castro, a alta do câmbio tem contribuído para a desindustrialização do Brasil. “Os produtos manufaturados representam 36% do Produto Intern Bruto (PIB) e a tendência é que vá diminuindo mais e mais. O superávit deve-se às commodities. Os produtos manufaturados têm déficit comercial. Isto indica um princípio de desindustrialização. A importação de bens de consumo está crescendo muito mais percentualmente do que importações de matéria prima para bens intermediários, o que não acontecia no passado”, afirmou.

O economista Raul Wagner dos Reis Velloso comentou que sem ajuste sustentável, dificilmente o Brasil continuará a manter a receita crescendo fortemente. “É louvável o aumento dos investimentos da União, de 1,2% do PIB, e o governo tem realmente se esforçado para conter gastos sem fazer reformas, mas resta saber se isso é sustentável”, disse Velloso.

O Secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, rebateu as críticas e disse que o governo está no caminho certo e não tem previsão de crescimento da taxa tributária. “A gente respeita todas avaliações, mas a análise feita pelo Banco Central e pela Secretaria do Tesouro mostra claramente melhoria forte, este ano, da nossa situação fiscal”.

Augustin garantiu que o país tem condições de manter a sustentabilidade da situação fiscal. “Nossa dívida liquida com o setor público, que já foi de 60% do PIB, agora está em menos de 40% do PIB, ou seja, uma redução de cerca de 20% do PIB em menos de dez anos. E isso é reconhecido pelo mercado financeiro internacional e se reflete no grau de investimento e nos preços dos títulos brasileiros. Nossos títulos têm tido taxas muito melhores que os de outros países em desenvolvimento”, afirmou. (da Agência Brasil, Flávia Villela)



Últimas

2021/04/14 » Mais de 620 mil micro e pequenas empresas foram abertas em 2020
2021/04/14 » Inflação acelera para todas as faixas de renda em março, diz Ipea
2021/04/14 » Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril, aponta Procon-SP
2021/04/14 » Comércio varejista cresce 0,6% em fevereiro, diz IBGE
2021/04/13 » Calendário de restituições não muda com novo prazo do Imposto de Renda
2021/04/13 » Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 4,85% este ano
2021/04/13 » Inflação para idosos acumula taxa de 6,2% em 12 meses
2021/04/12 » Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado
2021/04/12 » Confaz aprova parte da regulamentação da nova Lei do Gás
2021/04/12 » CNI defende rápida regulamentação da Lei do Gás
2021/04/12 » Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação, diz FGV
2021/04/09 » As principais mudanças do Marco Legal do Gás
2021/04/09 » Inflação foi de 0,93% em março, maior alta para o mês desde 2015
2021/04/09 » Mais de 70% das indústrias têm dificuldades em conseguir matéria-prima
2021/04/09 » Custo da construção sobe 1,45% em março, diz IBGE
2021/04/09 » Crédito imobiliário da Caixa bate recorde no primeiro trimestre
2021/04/09 » Um quarto das pequenas empresas fechou em fevereiro, revela pesquisa
2021/04/09 » BNDES lança nova modalidade de crédito para a área rural
2021/04/09 » Dieese: custo da cesta básica cai em 12 capitais em março
2021/04/09 » Trabalhadores autônomos foram mais prejudicados por pandemia em 2020

Ver mais »