Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Economistas preveem estabilidade do déficit em transações correntes nos próximos anos 21/05/2011

A economia aquecida e o dólar em baixa fazem com que mais turistas brasileiros visitem outros países e as empresas importem mais produtos, remetam mais dinheiro para fora do Brasil e usem mais serviços de transportes e aluguel de equipamentos no exterior. Esse cenário faz com que as transações correntes, registro de trocas de bens, rendas e serviços do Brasil com o exterior, tenha um resultado negativo maior.

“À medida que a economia brasileira cresce de forma permanente, a tendência é importar mais, porque você tem que dar suporte a esse crescimento. Seja na forma de máquinas e equipamentos ou em serviços importados”, diz o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Rogério Sobreira.

De janeiro a março deste ano, o déficit em transações correntes ficou em U$S 14,631 bilhões, contra US$ 11,949 bilhões registrados em igual período de 2010, segundo dados do Banco Central (BC). Em todo o ano passado, o saldo negativo foi de R$ 47,365 bilhões, o que representou 2,27% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB). A previsão do mercado financeiro e do Banco Central é que, neste ano, o déficit fique em R$ 60 bilhões ou 2,56% do PIB.

Apesar dessa elevação, especialistas acreditam que o déficit em transações correntes, registro de trocas de bens, rendas e serviços do Brasil com o exterior, deve se estabilizar nos próximos anos, e não gera maiores preocupações.

Para o economista Bráulio Borges, da LCA Consultores, o déficit deve ficar entre 2,5% e 3% do PIB, soma de todas as riquezas produzidas no país, em média, nos próximos quatro anos. “Como proporção do PIB, o déficit está se estabilizando desde meados de 2010. É uma dinâmica um pouco diferente da que a gente viu depois da crise [financeira internacional], quando esse déficit como proporção do PIB aumentou rapidamente”, afirma.

O Brasil chegou a registrar superávit em transações correntes de 2003 a 2007, mas a partir de 2008 (déficit de 1,71% do PIB) passou a apresentar resultados negativos. Em 2009, o déficit foi de 1,52%, subindo para 2,27% do PIB no ano passado.

Segundo Borges, a estabilidade no déficit para os próximos anos é esperada porque a economia brasileira (PIB) não deve mais crescer acima da média do mundo, como ocorreu no ano passado.

Para o professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP) Carlos Eduardo Soares Gonçalves, o déficit em conta-corrente “não é o demônio que parece ser”. Isso porque ele pode estar relacionado a investimentos ou ao rombo das contas públicas. Mas, neste momento, segundo análise de Gonçalves, os recursos externos estão indo para investimentos. “Hoje no Brasil o investimento está crescendo e vai precisar crescer ainda mais com obras para eventos esportivos e o pré-sal”, avaliou Gonçalves.

Para financiar esse déficit, o Brasil precisa receber recursos do exterior. Assim, entram no país tanto investimento em carteira (ações e títulos de renda fixa) quanto investimento estrangeiro direto, que vai para o setor produtivo da economia. “Ainda dá pra fechar a conta sem se valer profundamente de capitais especulativo (investimento em carteira). Enquanto essa equação permanecer, a gente não tem problema de estabilidade do balanço de pagamento”, acrescentou Sobreira.

O economista Bráulio Borges lembrou que o governou adotou medida para evitar excesso de entrada de capital volátil. “É bom que venha também investimento em carteira no Brasil. Mas tem que controlar o exagero que a gente via no final de 2009 e começo de 2010”, disse ele. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/22 » Emprego cresce na indústria em um movimento atípico para dezembro
2021/01/22 » Monitor do PIB aponta alta de 1,1% na atividade econômica em novembro
2021/01/22 » Pesquisa da Conab indica queda na produção nacional de café em 2021
2021/01/21 » Entidades consideram acertada manutenção da Selic em 2% ao ano
2021/01/21 » Copom mantém juros básicos da economia em 2% ao ano
2021/01/21 » Governo federal lança sistema para simplificar a abertura de empresas
2021/01/20 » ANP regulamenta indicação de áreas para exploração de petróleo e gás
2021/01/20 » Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC
2021/01/20 » Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC
2021/01/19 » CNI: faturamento da indústria cai pela primeira vez em sete meses
2021/01/19 » Produção de aço caiu 4,9% em 2020, informa o Instituto Aço Brasil
2021/01/19 » Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
2021/01/19 » Atividade industrial desacelera em novembro de 2020
2021/01/18 » Saiba o que é a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO)
2021/01/18 » China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil

Ver mais »