Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inadimplência tem em maio quarta alta consecutiva, diz CNDL 09/06/2011

O comércio registrou alta 8,21% na inadimplência do consumidor em maio, em relação ao mesmo mês de 2010. É a quarta elevação consecutiva ante os resultados de 2010. Os dados foram divulgados hoje (9) pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL).

Para o presidente da entidade, Roque Pellizzaro Junior, o número é "significativamente preocupante", já que, no acumulado dos últimos cinco meses, a alta é de 3,61%. Ele lembrou que o indicador iniciou o ano em baixa de 10%, mas vem crescendo "em razão sobretudo do ciclo de aperto monetário decorrente do aumento da taxa de juros básicos, a Selic, e das medidas de contenção de crédito adotadas no final do ano passado pelo Banco Central".

Já o cancelamento de registros no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) – que reflete o pagamento de dívidas do consumidor – cresceu 9,67% a maio, na comparação com abril de 2011. Segundo Pellizzaro, isso é normal para o mês, ante a expectativa do consumidor de fazer compras para o Dia das Mães e também por causa da proximidade do Dia dos Namorados.

O dirigente afirmou que a CNDL pretende conscientizar o comércio para que adote critérios mais rígidos na hora de conceder o crédito, uma vez que "o consumidor não tem noção exata da diferença, por exemplo, entre os juros do cartão de crédito". Segundo ele, o parcelamento do cartão tem juros entre 4,5% e 5%, mas os do crédito rotativo podem chegar a 13%. “O consumidor brasileiro gosta de pagar, quando tem condições para isso, mas é preciso reduzir a velocidade do crédito, pois a inadimplência é ruim para ele, para a economia e para o país, porque tende a criar uma bolha indesejável.”

Pellizzaro Junior lembrou ainda que, no Brasil, o prazo de vencimento do cartão de crédito é longo, diferentemente do que ocorre em outros países. Para ele, a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de aumentar de 10% para 15% o percentual da parcela mínima mensal para pagamento do cartão é "uma medida modesta". O ideal, defende Pellizzaro, é que seja de 30% a 35% para reduzir a possibilidade de endividamento do consumidor. (da Agência Brasil, Lourenço Canuto)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »