Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Famílias diminuem o consumo, indica pesquisa da CNC 16/06/2011

As famílias brasileiras estão colocando o pé no freio na hora de consumir. É o que revela a pesquisa Intenção de Consumo das Famílias referente a junho, divulgada hoje (16) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Em relação ao mês de maio deste ano, o Índice de Intenção do Consumo das Famílias mostrou elevação moderada de 0,7%. Já na comparação com o mesmo mês de 2010, o índice de junho registrou queda de 1,7%.

O economista da CNC, Bruno Fernandes, disse que esta foi a primeira alta do índice no ano, após cinco meses de quedas consecutivas, motivadas pelas medidas do Banco Central para contenção do crédito e devido ao aumento do custo de vida, que levaram as pessoas a consumir menos.

Dois fatores determinaram o resultado mensal, apontou o economista. Um deles foi que o mercado de trabalho, mesmo apresentando desaceleração, continuou sustentando a intenção de consumo. A isto se somou o arrefecimento de preços observado desde o final de maio. “A conjunção desses dois fatores fez com que nós tivéssemos um resultado positivo agora em junho”.

Fernandes disse, porém, que a leve alta do índice em junho não foi capaz de reverter o processo de desaceleração do consumo das famílias. Para os próximos dois ou três meses, a CNC está prevendo um arrefecimento de preços, o que favorece a intenção de aumento de gastos das famílias. O economista destacou, porém, que para o ano de 2011, as medidas de contenção do crédito ainda influenciarão a desaceleração do consumo.

“Nós ainda podemos ter variações positivas nos próximos meses. No entanto, para o ano, a gente não espera que a intenção de consumo das famílias seja superior à do ano passado. O cenário será mais pessimista do que o de 2010”.

A maior alta do Índice de Intenção de Consumo das Famílias em junho, em relação a maio, foi observada na Região Centro-Oeste (+3,8%), enquanto a maior retração foi percebida no Norte do país (-2,2%). Na comparação com junho de 2010, a única variação positiva foi encontrada no Nordeste (+0,1%). A maior queda na intenção do consumo dos brasileiros foi registrada na Região Norte (-7,6%).

Por faixas de renda, o maior aumento na intenção de compra em junho ante maio ocorreu entre as pessoas que ganham até dez salários mínimos (+0,9%). Na avaliação dos últimos 12 meses, a maior retração do consumo foi apresentada na faixa de mais de dez mínimos (-2,8%). (da Agência Brasil, Alana Gandra)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »