Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Indústria do software espera que desoneração da folha fortaleça o setor ao favorecer a formalização 02/08/2011

O presidente do Sindicato das Empresas de Informática do Rio de Janeiro (Seprorj), Benito Paret, classificou a nova política industrial, divulgada hoje (2), de adequada. Ele lembrou que o setor de software usa largamente a terceirização da mão de obra, por meio de pessoas jurídicas que são contratadas para desenvolver etapas do processo produtivo, por isso o segmento vê com bons olhos a desoneração da folha promovida pelo governo.

“A desoneração da folha incentiva a regularização de vínculos empregatícios, ajuda a formalizar o emprego, fortalece as empresas e dá mais competitividade”, disse. Paret destacou que, na área de desenvolvimento, houve recentemente várias contratações no exterior, devido ao fato de os custos serem mais baixos lá fora. “Tudo aquilo que possa proteger o nosso mercado e fortalecer as nossas empresas é extremamente relevante”.

O Plano Brasil Maior, anunciado hoje pela presidenta Dilma Rousseff, reduz a zero a alíquota de 20% paga ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) por setores sensíveis ao câmbio e à concorrência internacional, além de serem intensivos em mão de obra. Estão entre esses setores o de software, confecções, móveis e calçados. A nova política estabelece, em contrapartida, a cobrança de uma contribuição sobre o faturamento das empresas, cuja alíquota varia de acordo com o setor, iniciando-se em 1,5%.

O presidente do Seprorj observou que, embora ainda não se conheça o percentual que irá incidir sobre o faturamento das companhias, a expectativa é que a medida seja favorável ao setor, “considerando-se que os custos de mão de obra no setor de software representam entre 40% e 60% dos custos totais”.

Paret disse que as medidas anunciadas incentivam o setor. “Eu acho, inclusive, que é um avanço. Esse assunto vem sendo discutido há muitos anos e nós não tínhamos conseguido ter boa receptividade por parte do governo. Temos que aplaudir. A iniciativa é altamente elogiável”. Ele, no entanto, diz que está alerta quanto aos percentuais que serão aplicados sobre o faturamento das empresas do setor, que, segundo ele, terão de ser profundamente avaliados quando definidos. “Mas, eu creio que eles [o governo] não vão criar algo que seja pior do que tem hoje”. (da Agência Brasil, Alana Gandra)



Últimas

2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Ver mais »