Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Plano Brasil Maior é bem-vindo, mas insuficiente, e deveria se estender ao varejo e serviços, defende Fecomercio 02/08/2011

O Plano Brasil Maior, que foi anunciado hoje (02) pelo governo federal, deveria ser permanente e direcionado a todas as atividades econômicas, disse o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio), de Abram Szajman.

“É tão bem-vindo que deveria ser permanente e extensivo a todas as atividades econômicas. Afinal, simplificar, desonerar, proteger o mercado interno e dar capacidade competitiva e aumento de produtividade deve ser foco permanente e amplo do governo.”

Para a federação, a classe industrial, que está sendo beneficiada com o plano, deveria estender essas vantagens também ao comércio e ao consumo. A Fecomercio também espera que o financiamento para as micro, pequenas e médias empresas, com taxas de juros menores, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES), seja também liberado para os prestadores de serviços com capacidade de exportação. Para a federação, outra medida que deveria ser estendida aos mercados varejista e de prestação de serviços é a desoneração sobre a folha de pagamento.

De acordo com a entidade, o Plano Brasil Maior é uma estratégia para “corrigir pontualmente os efeitos, pela incapacidade de se atacar diretamente as raízes do problema”. O desequilíbrio cambial, que “provoca distorções intensas sobre a pauta de exportações”, os gastos do governo e as elevadas taxas de juros, “que minam a capacidade do governo de investir, de gerar renda e emprego”, são o problema, diz a Fecomercio.

“Enquanto os juros cobrados no Brasil se mantiverem no topo do mundo, a taxa de câmbio vai continuar distorcendo nossa real capacidade competitiva. Infelizmente, não serão medidas paliativas e pontuais que irão conseguir resolver essas distorções. Mas elas são bem-vindas, como todas as ações que venham a representar mais agilidade, simplificação, liberdade de operação e menores custos tributários e burocráticos para as empresas nacionais”, conclui a nota da Fecomercio. (da Agência Brasil, Elaine Patricia Cruz)



Últimas

2020/09/28 » Intenção de consumo das famílias volta a crescer após cinco quedas
2020/09/28 » Petrobras inicia venda de dois campos de petróleo de águas profundas
2020/09/28 » Governo economiza R$ 1 bilhão com trabalho remoto de servidores
2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro

Ver mais »