Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Bancos preveem queda da inflação nos próximos meses 04/08/2011

As instituições financeiras apostam na queda da inflação nos próximos meses, segundo pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A divergência entre os economistas dos bancos está na velocidade com que o aumento dos preços irá convergir para o centro da meta estipulada pelo Banco Central (BC), de 4,5%. “Há um consenso forte que o ciclo de alta da taxa está próximo do seu encerramento”, destacou o economista-chefe da Febraban, Rubens Sardenberg.

Dos 31 analistas de bancos ouvidos para o levantamento divulgado ontem (3), 43% avaliam que a inflação vai recuar um pouco a partir do quarto trimestre, porém, permanecerá em aproximadamente 6%; 39% acreditam que a convergência para o centro da meta é possível, entretanto, acham que ainda é cedo para ter certeza. Enquanto 18% dos entrevistados preveem que o aumento de preços irá cair para próximo dos 4,5%, como indicou o Comitê de Política Monetária do BC em sua última reunião.

A expectativa geral apontada na pesquisa permaneceu praticamente estável em relação ao levantamento anterior feito em junho. A previsão para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011, subiu de 6,2% em junho, para 6,3% em agosto. Já o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) teve a estimativa reduzida de 6,3% para 5,8%.

Os bancos também acreditam em mais uma elevação de 0,25 ponto percentual da taxa básica de juros (Selic) que deve fechar o ano em 12,75%. Os juros foram elevados cinco vezes durante este ano, um aumento de 1,75 ponto percentual.

Em relação ao crédito, as estimativas permaneceram praticamente as mesmas apontadas pela pesquisa anterior. Espera-se que os empréstimos cresçam 16,4%, com destaque para o crédito direcionado que tem perspectiva de alta de 18,2%. Ambas previsões são um ponto percentual menores do que as do último levantamento.

Para o câmbio, a expectativa é que o dólar feche o ano valendo R$ 1,59. Sardenberg ponderou, entretanto, que ainda existe muita incerteza em relação ao cenário internacional, tanto sobre a recuperação da Europa, quanto dos Estados Unidos. “O cenário externo é a principal fonte de volatilidade e incerteza”, ressaltou. A instabilidade nas economias mais desenvolvidas tem impulsionado o fluxo de capitais para o Brasil, valorizando o real em relação ao dólar. (da Agência Brasil, Daniel Mello)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »