Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Crédito mais caro mantém movimento enfraquecido no comércio, aponta Serasa 04/08/2011

Depois de se manter estável em junho, o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio apresentou, em julho, uma leve recuperação com um taxa de 0,01%. A tendência, prevê o gerente de indicadores de mercado da Serasa Experian, Luiz Rabi, é de um crescimento mais modesto ao longo deste semestre.

“Como reflexo do aperto monetário, bens com maior valor agregado e que dependem de crédito devem ter retração”, pondera o economista. Ele acredita que o índice ficará em 9% no fechamento deste ano, variação um pouco inferior à registrada no ano passado (10,3%).

Nos sete primeiros meses deste ano, o indicador acumula alta de 9,6% ante 10,5% verificado em igual período de 2010.

Em julho, houve um aumento na procura em três dos seis segmentos pesquisados pela Serasa com base nas consultas feitas por um conjunto de 6 mil empresas sobre os cadastros dos clientes. Entre eles estão o de tecidos, vestuário, calçados e acessórios com alta de 0,7% ante uma queda de 0,3%.

Nos supermercados, o movimento teve expansão de 0,4% ante 0,7% e de janeiro a julho alta de 5,5%. A mesma taxa de variação (0,4%) foi constatada em móveis, eletroeletrônicos e informática que havia ficado estável, em junho. Neste caso, segundo Luiz Rabi, o desempenho está associado ao câmbio.

Ele explicou que com o real valorizado ante o dólar norte-americano, muitas mercadorias, principalmente os eletroeletrônicos, entram no país com preços mais vantajosos e ainda impedem que haja reajustes dos similares nacionais, o que, obviamente, torna os importados mais atrativos no comércio varejista.

O comércio de veículos, motos e peças manteve-se em baixa de 1,6% ante -2,7%, indicando, portanto, uma redução no ritmo de decréscimo. Na comparação com julho de 2010 houve queda de 2,4% ante uma variação positiva em junho de 5,5%. A retração no ritmo de queda foi mais atenuada na procura pelos materiais de construção cuja taxa passou de -2,9% para -0,3%. Contudo, esse segmento lidera o movimento de vendas com alta de 12% desde o começo do ano e de 7,6% sobre o mesmo mês do ano passado.

Em combustíveis e lubrificantes, a taxa recuou 0,9% na comparação com junho que havia indicado queda de 0,2%. Sobre julho de 2010 houve crescimento de 8,2% e no acumulado do ano 8,4%. (da Agência Brasil, Marli Moreira)



Últimas

2021/01/15 » MPT abre inquéritos para avaliar danos sociais do fechamento da Ford
2021/01/15 » BNDES financia segunda usina termelétrica no Porto do Açu
2021/01/15 » IBGE: indústria cresce em dez dos 15 locais pesquisados em novembro
2021/01/14 » Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020
2021/01/14 » Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos
2021/01/14 » IBGE: safra de 2021 deve superar recorde de 2020
2021/01/14 » Veja o que pode e o que não pode no Enem 2020
2021/01/13 » BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups
2021/01/13 » Inflação da construção civil atinge 10,16% em 2020
2021/01/13 » Inflação para famílias com menor renda fecha 2020 com alta de 5,45%
2021/01/13 » Inflação oficial fecha 2020 em 4,52%, diz IBGE
2021/01/12 » Ministério pede avanço de reformas para manter fábricas no país
2021/01/12 » Preço da cesta básica aumentou em todas as capitais em 2020
2021/01/12 » Plataforma promove compartilhamento de materiais na economia
2021/01/11 » Como entrar em 2021 com as contas no azul
2021/01/11 » Digitalização de serviços públicos gera economia de R$ 2 bi por ano
2021/01/11 » Banco do Brasil renegocia R$ 40 milhões em dívidas por WhatsApp
2021/01/11 » Vendas de veículos caem 26,2% em 2020, diz Anfavea
2021/01/11 » Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus
2021/01/08 » ANP: 17ª Rodada de Licitações oferece 92 blocos em bacias marítimas

Ver mais »