Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mantega promete resultados fiscais fortes e defende regulamentação do mercado financeiro 10/08/2011

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, prometeu hoje (9) continuar com superávits primários expressivos nos próximos meses. Em audiência na Comissão Geral da Câmara dos Deputados que discute a crise econômica internacional, ele reiterou que a manutenção de resultados fiscais fortes será a resposta do país na área fiscal para lidar com o aprofundamento da crise global.

“Quando me referi a surpresas no lado fiscal, disse que, a cada mês, nosso resultado fiscal será melhor que no mês anterior”, disse o ministro, explicando a frase pronunciada ontem (8) no Palácio do Planalto. O superávit primário é a economia de recursos para pagar os juros da dívida pública.

Mantega defendeu ainda a taxação na venda de dólares no mercado futuro. Ele rebateu os argumentos do ex-ministro Maílson da Nóbrega, que, mais cedo, questionou a eficácia da medida provisória que permite ao governo intervir no mercado de derivativos, dizendo que a desvalorização do dólar está ligada a fatores externos.

Ao contrário do que havia afirmado Maílson, Mantega disse que as transações no mercado futuro são cruciais para definir a cotação da moeda norte-americana. “É no mercado de derivativos onde se define o preço do câmbio, porque as negociações são mais alavancadas. Com poucos recursos se negociam bilhões”, justificou.

De acordo com o ministro da Fazenda, o governo tem de regular os mercados financeiros para impedir o surgimento de novas crises como a de 2008. “Foi a liberdade aos mercados financeiros que fez os Estados Unidos quase irem à bancarrota”. Ele destacou ainda que a equipe econômica não permitirá que empresas brasileiras se endividem em dólares no mercado futuro como ocorreu há três anos.

Mantega informou que a equipe econômica continuará estimulando a competitividade do país para enfrentar a crise. “Vamos continuar as desonerações, de forma gradual para não impactar as contas públicas”.

O ministro negou ainda que a carga tributária (peso dos impostos sobre a economia) tenha aumentado nos últimos nove anos e atribuiu o crescimento da arrecadação à expansão da economia e à formalização do mercado de trabalho. “Em nenhum momento, reajustamos os tributos para o setor produtivo”, rebateu.

Segundo o ministro, o crescimento dos gastos públicos nos últimos anos se concentrou na expansão dos investimentos, como as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Mantega ressaltou que a expansão dos gastos ajudou a manter a atividade econômica no Brasil durante a crise de 2008 e 2009. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/08/14 » Mercado de seguros tem queda de 3,5% no ano devido à pandemia
2020/08/14 » OMS minimiza risco de novo coronavírus entrar na cadeia alimentar
2020/08/14 » Paulo Guedes anuncia novos secretários especiais
2020/08/13 » Soros produzidos por cavalos têm anticorpos potentes para covid-19
2020/08/13 » Instituto alemão diz que vacina pode estar disponível logo
2020/08/13 » Lucro líquido da Eletrobras chega a R$ 4,6 bilhões no trimestre
2020/08/12 » Conselho do FGTS aprova distribuição de R$ 7,5 bi para trabalhadores
2020/08/12 » Guedes diz que não apoia eventual tentativa de furar teto de gastos
2020/08/12 » Produção industrial cresce em 14 locais em junho, diz IBGE
2020/08/11 » Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes
2020/08/11 » Débitos de difícil recuperação com o Simples podem ser parcelados
2020/08/11 » Auxílio emergencial manteve economia ativa em municípios mais pobres
2020/08/10 » Sem título
2020/08/10 » SP ultrapassa 25,1 mil mortes causadas por covid-19
2020/08/10 » Como é feita média móvel de casos de covid-19
2020/08/07 » MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
2020/08/07 » Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia
2020/08/07 » Senai ensina indústrias a produzirem EPI contra novo coronavírus
2020/08/06 » Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
2020/08/06 » Baixa inflação permitiu corte nos juros, avaliam entidades

Ver mais »