Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Políticas sociais são bem avaliadas pela população, ao contrário de saúde, impostos, segurança e juros 10/08/2011

As áreas mais bem avaliadas do governo Dilma Rousseff, de acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Ibope, são as de combate à fome e à pobreza. Saúde, impostos e segurança pública foram as áreas que receberam as piores avaliações. No entanto, o que chamou mais a atenção dos pesquisadores foi a queda da aprovação à política de juros, de 43% para 29%, na comparação entre as pesquisas de março e julho.

“A confiança no governo Dilma permanece muito elevada, principalmente nas áreas de combate à pobreza, meio ambiente e combate ao desemprego”, disse o gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, durante a divulgação da pesquisa, hoje (10), em Brasília.

“O curioso foi notar que o grupo que mais aprova as políticas de combate à fome e à pobreza não são os beneficiados, mas os que têm renda familiar superior a dez salários mínimos. A aprovação atinge 66% desse grupo. É aprovada também por 62% das pessoas com renda familiar de até um salário mínimo e por 58% das pessoas com renda familiar entre um e dois mínimos”, acrescentou.

As políticas de combate ao desemprego "permanecem em alta", segundo a CNI, com 49% de aprovação, apesar da queda de 9 pontos percentuais desde março, quando foi feita a primiera songagem de opinião sobre o governo Dilma. Já as políticas de meio ambiente mantiveram o índice de aprovação praticamente estável, se for levada em consideração a margem de erro da pesquisa, que é de 2 pontos percentuais. A aprovação caiu de 54% para 52%. Essa política foi mais bem avaliada nas pequenas cidades e na faixa de população mais jovem.

A mudança mais significativa se deu em relação à política de juros, cuja desaprovação subiu para 63%. Na pesquisa anterior, os índices de aprovação e desaprovação estavam empatados (43%). “Provavelmente, por causa do ciclo de alta dos juros, isso mudou consideravelmente. Agora, o nível de desaprovação deu um salto de 20 pontos percentuais, chegando a 63%, enquanto a aprovação das políticas de juros caiu para 29%”, explicou o economista

Segundo ele, as classes com renda mais elevada são as que mais desaprovam a política de juros altos do governo: 71% das pessoas com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos e 66% dos entrevistados com renda superior a dez mínimos. A desaprovação da política de juros atinge também 71% das pessoas com formação de nível superior.

“A má avaliação das áreas de saúde, impostos e segurança pública não nos impressiona porque são áreas historicamente mal avaliadas”, disse Castelo Branco. De acordo com a pesquisa, a saúde teve aval bastante negativo (69%), empatando com tributos e impostos em termos de insatisfação.

“As pessoas perceberam que houve aumento da inflação e isso refletiu na pesquisa. A desaprovação da política de combate à inflação é mais elevada entre as mulheres [58% contra 54% entre os homens] que, em geral, são responsáveis pelas compras da família e, com isso, melhor percebem a situação”, disse o economista.

No primeiro levantamento sobre o governo Dilma, 42% dos entrevistados desaprovavam a política de combate à inflação. Em julho, esse índice subiu para 56%. A aprovação caiu de 48% para 38%.

A avaliação sobre a educação no país também mostrou inversão. Antes, 52% aprovavam, contra desaprovação de 45%. Na pesquisa divulgada hoje, a relação se inverteu. A aprovação caiu para 43% aprova enquanto 52% desaprovam. "Quem está mais preocupado são os pais de famílias [57% das pessoas com idade entre 30 e 49 anos desaprovam] e os com maior renda [66% dos que recebem mais de dez salários mínimos] e escolaridade [64% dos que possuem nível superior]”, disse Castelo Branco.

O economista, no entanto, credita o aumento dos índices relativos às expectativas negativas ao fato de ter diminuído o percentual de pessoas que não respondiam ou não se viam em condições de responder as perguntas da pesquisa. “O aumento na avaliação negativa está mais relacionado à diminuição do conjunto de pessoas que não haviam declarado opinião no levantamento de março, do que à perda de avaliações positivas”.

Segundo o economista, os rsultados refletem uma tendência normal de avaliação de um governo que começou há pouco tenpo. “O eleito inicia o ano com popularidade muito associada à vitória eleitoral. Com o tempo, essa empolgação tende a diminuir”. (da Agência Brasil, Pedro Peduzzi)



Últimas

2020/01/22 » CNC: intenção de consumo das famílias tem melhor janeiro desde 2015
2020/01/22 » Confiança da indústria cresce 1,1 ponto na prévia de janeiro
2020/01/22 » Brasil cria centro para indústria 4.0 no Fórum Econômico Mundial
2020/01/21 » Brasil passou para quarto destino de investimentos no mundo em 2019
2020/01/21 » Inflação dos aluguéis acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV
2020/01/21 » Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
2020/01/20 » Mercado financeiro reduz estimativa de inflação este ano para 3,56%
2020/01/20 » Agência Brasil explica: quem pode ser um microempreendedor individual?
2020/01/17 » Varejo de SP espera crescimento de 5% em vendas de materiais escolares
2020/01/17 » Confiança do empresário do comércio tem melhor janeiro desde 2013
2020/01/17 » Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
2020/01/17 » Atividade econômica cresce 0,18%, diz Banco Central
2020/01/16 » Dataprev é incluída no Programa Nacional de Desestatização
2020/01/16 » Ipea: alíquota de novo imposto proposto em PECs deve ficar em 27%
2020/01/16 » Inflação pelo Índice Geral de Preços–10 cai de 1,69% para 1,07%
2020/01/15 » Governo quer vender R$ 150 bi em participações em empresas em 2020
2020/01/15 » Novo reajuste do mínimo pode ter impacto de R$ 2,13 bi no Orçamento
2020/01/15 » Mochilas pesadas na infância podem acarretar problemas na fase adulta
2020/01/14 » Consumidor espera saldões para comprar com desconto produto mais caro
2020/01/14 » IR: contribuinte não poderá deduzir gasto com previdência de doméstica

Ver mais »