Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Políticas sociais são bem avaliadas pela população, ao contrário de saúde, impostos, segurança e juros 10/08/2011

As áreas mais bem avaliadas do governo Dilma Rousseff, de acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Ibope, são as de combate à fome e à pobreza. Saúde, impostos e segurança pública foram as áreas que receberam as piores avaliações. No entanto, o que chamou mais a atenção dos pesquisadores foi a queda da aprovação à política de juros, de 43% para 29%, na comparação entre as pesquisas de março e julho.

“A confiança no governo Dilma permanece muito elevada, principalmente nas áreas de combate à pobreza, meio ambiente e combate ao desemprego”, disse o gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, durante a divulgação da pesquisa, hoje (10), em Brasília.

“O curioso foi notar que o grupo que mais aprova as políticas de combate à fome e à pobreza não são os beneficiados, mas os que têm renda familiar superior a dez salários mínimos. A aprovação atinge 66% desse grupo. É aprovada também por 62% das pessoas com renda familiar de até um salário mínimo e por 58% das pessoas com renda familiar entre um e dois mínimos”, acrescentou.

As políticas de combate ao desemprego "permanecem em alta", segundo a CNI, com 49% de aprovação, apesar da queda de 9 pontos percentuais desde março, quando foi feita a primiera songagem de opinião sobre o governo Dilma. Já as políticas de meio ambiente mantiveram o índice de aprovação praticamente estável, se for levada em consideração a margem de erro da pesquisa, que é de 2 pontos percentuais. A aprovação caiu de 54% para 52%. Essa política foi mais bem avaliada nas pequenas cidades e na faixa de população mais jovem.

A mudança mais significativa se deu em relação à política de juros, cuja desaprovação subiu para 63%. Na pesquisa anterior, os índices de aprovação e desaprovação estavam empatados (43%). “Provavelmente, por causa do ciclo de alta dos juros, isso mudou consideravelmente. Agora, o nível de desaprovação deu um salto de 20 pontos percentuais, chegando a 63%, enquanto a aprovação das políticas de juros caiu para 29%”, explicou o economista

Segundo ele, as classes com renda mais elevada são as que mais desaprovam a política de juros altos do governo: 71% das pessoas com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos e 66% dos entrevistados com renda superior a dez mínimos. A desaprovação da política de juros atinge também 71% das pessoas com formação de nível superior.

“A má avaliação das áreas de saúde, impostos e segurança pública não nos impressiona porque são áreas historicamente mal avaliadas”, disse Castelo Branco. De acordo com a pesquisa, a saúde teve aval bastante negativo (69%), empatando com tributos e impostos em termos de insatisfação.

“As pessoas perceberam que houve aumento da inflação e isso refletiu na pesquisa. A desaprovação da política de combate à inflação é mais elevada entre as mulheres [58% contra 54% entre os homens] que, em geral, são responsáveis pelas compras da família e, com isso, melhor percebem a situação”, disse o economista.

No primeiro levantamento sobre o governo Dilma, 42% dos entrevistados desaprovavam a política de combate à inflação. Em julho, esse índice subiu para 56%. A aprovação caiu de 48% para 38%.

A avaliação sobre a educação no país também mostrou inversão. Antes, 52% aprovavam, contra desaprovação de 45%. Na pesquisa divulgada hoje, a relação se inverteu. A aprovação caiu para 43% aprova enquanto 52% desaprovam. "Quem está mais preocupado são os pais de famílias [57% das pessoas com idade entre 30 e 49 anos desaprovam] e os com maior renda [66% dos que recebem mais de dez salários mínimos] e escolaridade [64% dos que possuem nível superior]”, disse Castelo Branco.

O economista, no entanto, credita o aumento dos índices relativos às expectativas negativas ao fato de ter diminuído o percentual de pessoas que não respondiam ou não se viam em condições de responder as perguntas da pesquisa. “O aumento na avaliação negativa está mais relacionado à diminuição do conjunto de pessoas que não haviam declarado opinião no levantamento de março, do que à perda de avaliações positivas”.

Segundo o economista, os rsultados refletem uma tendência normal de avaliação de um governo que começou há pouco tenpo. “O eleito inicia o ano com popularidade muito associada à vitória eleitoral. Com o tempo, essa empolgação tende a diminuir”. (da Agência Brasil, Pedro Peduzzi)



Últimas

2020/08/11 » Vendas para China preveniram choque nas exportações, diz Guedes
2020/08/11 » Débitos de difícil recuperação com o Simples podem ser parcelados
2020/08/11 » Auxílio emergencial manteve economia ativa em municípios mais pobres
2020/08/10 » Sem título
2020/08/10 » SP ultrapassa 25,1 mil mortes causadas por covid-19
2020/08/10 » Como é feita média móvel de casos de covid-19
2020/08/07 » MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
2020/08/07 » Cursos de qualificação profissional têm alta demanda na pandemia
2020/08/07 » Senai ensina indústrias a produzirem EPI contra novo coronavírus
2020/08/06 » Bolsonaro sanciona lei de negociação de dívidas das micro empresas
2020/08/06 » Baixa inflação permitiu corte nos juros, avaliam entidades
2020/08/06 » Copom reduz juros básicos da economia para 2% ao ano
2020/08/05 » Dezenas de empresas aderem à Semana Brasil 2020
2020/08/05 » Semana Brasil terá edição 2020 e deve ajudar na retomada da economia
2020/08/05 » Governo de Osaka planeja estudar eficácia de gargarejo no combate ao coronavírus
2020/08/04 » BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas
2020/08/04 » Balança comercial tem superávit recorde de US$ 8,06 bilhões em julho
2020/08/04 » Governo economiza R$ 466 milhões com a máquina pública na pandemia
2020/08/03 » Japonesa Seven & i Holdings pagará US$ 21 bilhões pela rede americana Speedway
2020/08/03 » Fábricas de veículos no Japão retornam gradualmente à produção normal

Ver mais »