Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Mantega garante que superávit não será feito com cortes adicionais de gastos 29/08/2011

O aumento do superávit primário anunciado hoje (29) abrirá espaço para o aumento dos investimentos e impedirá a evolução dos gastos correntes. A informação foi dada pelo ministro da Fazenda, Guida Mantega, ao anunciar que a meta de superávit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) será ampliada de R$ 81,8 bilhões para cerca de R$ 91 bilhões este ano.

Segundo Mantega, o aumento do superávit primário “não se dará às custas de cortes adicionais” no Orçamento. Em fevereiro dste ano, o governo já havia anunciado corte de R$ 50 bilhões nos gastos.

Mantega fez uma comparação com os países europeus e com os Estados Unidos, que têm elevada dívida pública e, agora, estão “fazendo corte de tudo, cortando investimentoe benefícios sociais". Para o ministro, uma situação bem diferente da que o brasileiro vai enfrentar. "Não é nada disso que estamos fazendo aqui, queremos ampliar o investimento”. Ele garantiu que “nenhum novo corte" foi definido. "Estamos falando em não aumentar gastos e em não cortar gastos já existentes e previstos para este ano, inclusive eventuais modificações nas folhas de pagamento de 2011”.

Na avaliação da equipe econômica, o aumento do superávit primário será importante para o governo enfrentar uma possível deterioração da situação econômica mundial. Na avaliação de Mantega, “fortalecer o [superávit] primário nesse momento significa dispor de mais recursos no próximo ano, se for necessário”.

A proposta de Orçamento para 2012 será enviada na quarta-feira (31) ao Congresso Nacional. De acordo com o minsitro, o documento estará "afinado com essas diretrizes e essa situação, para que 2012 tenha um superávit primário vigoroso como esse que faremos este ano”, disse Mantega.

“Tínhamos planejado desde o inicio do ano uma desaceleração da economia brasileira, e isso ocorreu, com um primeiro trimestre ainda mais aquecido, o segundo com desaquecimento, o terceiro desaquecido, mas ainda positivo, e o quarto mais aquecido, como é de costume. Tudo está dentro da rota que foi traçada”, garantiu Mantega. (da Agência Brasil, Daniel Lima, Kelly Oliveira e Pedro Peduzzi)



Últimas

2020/11/27 » Volta de cobrança do IOF sobre crédito renderá cerca de R$ 2 bi
2020/11/27 » Indústrias do Mercosul e da UE pedem urgência para acordo comercial
2020/11/27 » Indústria paulista mantém expansão no ano apesar de queda em outubro
2020/11/26 » Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019
2020/11/26 » Campos Neto: Pix vai gerar inclusão e reduzir custos para população
2020/11/26 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 16% em outubro
2020/11/25 » Anatel prevê leilão do 5G no final do primeiro semestre de 2021
2020/11/25 » Mercado de capitais analisa critérios socioambientais de empresas
2020/11/25 » Pix tem quase 4,4 milhões de portabilidade de chaves
2020/11/24 » Maioria dos reajustes até outubro teve ganhos reais, diz Dieese
2020/11/24 » Mercado aumenta previsão de inflação e prevê queda menor do PIB
2020/11/24 » Guedes anuncia que vai para o "ataque" com privatizações e reformas
2020/11/23 » Mais de 60% dos internautas no país usam serviços públicos digitais
2020/11/23 » Guia de financiamento ajuda empresas interessadas em sustentabilidade
2020/11/23 » Em reunião do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende
2020/11/20 » Economia cresceu 7,5% do segundo para o terceiro trimestre, diz FGV
2020/11/20 » Produção e empregos estão em alta na indústria, diz CNI
2020/11/20 » Confiança do empresário do comércio sobe 4,1% em novembro, diz CNC
2020/11/18 » Aumento de exportações industriais traria R$ 376 bi para economia
2020/11/18 » Quase dois terços das indústrias esperam faturar mais em 2021

Ver mais »