Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Copom se reúne para definir taxa de juros e economistas não creem em mudanças 30/08/2011

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) iniciou na tarde de hoje (30) a sexta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic. Mesmo com o anúncio de que o governo vai aumentar o superávit primário, destinado ao pagamento dos juros da dívida pública, a expectativa dos economistas ouvidos pela Agência Brasil  é que o Copom mantenha a Selic no atual patamar de 12,5% ao ano.

Na avaliação do vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel Oliveira, a ampliação do superávit deve contribuir, no futuro, para que o BC reduza os juros básicos, mas, neste momento, espera que a taxa permaneça como está. “Não acredito que, no curto prazo, essa medida [ampliação do superávit primário] vai ser suficiente para levar o Banco Central a reduzir juros”. Para ele, o Copom ainda irá avaliar se a tendência é a de agravamento da crise econômica mundial. Além disso, Oliveira alertou para o fato de que os índices de preços ainda mostram pressão inflacionária.

 

O vice-presidente do Conselho Federal de Economia (CFM), Mário Sérgio Fernandez Sallorenzo, defende a manutenção do atual patamar da Selic, mas com viés de baixa, ou seja, a possibilidade de o presidente do BC, Alexandre Tombini, reduzir a taxa a qualquer momento antes da próxima reunião ordinária do Copom, marcada para outubro. “É difícil que haja aumento, é difícil que haja uma redução [da Selic]. O que se espera é que haja uma definição de viés de baixa, porque o governo federal tem feito esforços para reduzir gastos e isso consome menos a demanda na economia, facilitando assim o controle de preços”, disse Sallorenzo. Dessa forma, “o Banco Central poderia, em determinado momento ou a partir de alguns indicadores mais tranquilizadores, baixar essa taxa de juros”, concluiu o economista.

 

Este ano, o Copom elevou a taxa básica de juros em todas as reuniões. A Selic já acumula alta de 1,75 ponto percentual em 2011. O comitê eleva a Selic quando considera que a economia está muito aquecida, com trajetória de inflação em alta. Juros básicos elevados estimulam a poupança. Por outro lado, a taxa básica é reduzida quando o objetivo é estimular gastos para aquecer a atividade econômica.

 

Ontem (29), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o maior esforço fiscal viabiliza a redução dos juros básicos. “Em curto, médio e longo prazos, essa atitude de fortalecer a nossa situação fiscal é no sentido de abrir espaço para que haja redução dos juros”, disse o ministro ao anunciar a elevação do superávit primário deste ano.

 

Hoje, a presidenta Dilma Rousseff também defendeu a redução da Selic, com o argumento de que o país está criando condições para isso. Dilma disse ainda que a queda dos juros é necessária para o crescimento do Brasil, que tem uma das mais altas taxas de juros do mundo.

 

O Copom é formado pelo presidente e diretores do BC e as reuniões para definir a taxa Selic são divididas em duas partes. No primeiro dia da reunião, chefes de departamento do BC apresentam aos diretores análises sobre a conjuntura, que abrange informações sobre inflação, nível de atividade econômica, contas externas, mercado de câmbio, economia internacional, entre outros assuntos. No segundo dia da reunião, os diretores definem a taxa básica. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2020/12/04 » Receita Federal e Banco do Brasil iniciam arrecadação com Pix
2020/12/04 » Desentendimento político interrompe reforma tributária, diz Guedes
2020/12/04 » Pix tem 100 milhões de chaves registradas
2020/12/03 » Concessões de aeroportos, rodovias, portos e ferrovias entram no PPI
2020/12/03 » PPI tem 115 ativos para leilões e projetos de concessão em 2021
2020/12/03 » Venda de veículos automotores aumenta 0,45% de outubro para novembro
2020/12/03 » Produção industrial cresceu 1,1% em outubro, diz IBGE
2020/12/02 » CNI: produtividade do trabalho na indústria cresce 8% no 3º trimestre
2020/12/02 » Balança comercial registra superávit de US$ 3,73 bi em novembro
2020/12/02 » CNA prevê aumento da produção do agronegócio no próximo ano
2020/12/02 » População desocupada atinge 13,76 milhões em outubro
2020/12/01 » Ipea: investimentos têm alta de 3,5% em setembro
2020/12/01 » Contas públicas registram saldo positivo após oito meses de déficit
2020/12/01 » Estimativa do mercado financeiro para a inflação sobe para 3,54%
2020/11/30 » ANP retoma a 17ª Rodada de Licitações
2020/11/30 » Corretoras poderão atuar com pagamentos de boletos a partir de janeiro
2020/11/30 » Confiança da indústria atinge maior valor em dez anos, diz FGV
2020/11/30 » Fiscalização do Procon-SP registra infração em 70% de lojas visitadas
2020/11/30 » Taxa de desemprego passa de 13,3% para 14,6% no terceiro trimestre
2020/11/30 » Inflação do aluguel sobe e acumula 24,52% em 12 meses

Ver mais »