Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Alimentos puxam inflação oficial em agosto 06/09/2011

A alta de 0,37% na inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em agosto foi puxada principalmente pela elevação nos preços dos alimentos. Um mês antes, eles haviam registrado queda de 0,34%, mas voltaram a subir e ficaram 0,72% mais caros. O grupo respondeu por quase metade (45%) da taxa global, conforme dados divulgados hoje (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a coordenadora de Índice de Preços do IBGE, Eulina Nunes, pesaram mais no bolso do consumidor produtos importantes na mesa dos brasileiros, como arroz (1,82%), feijão-carioca (0,58%) e carnes (1,84%), que exerceram o principal impacto individual no mês.

 

“Houve alta no arroz, no feijão, na carne, no pescado. A refeição típica do brasileiro”, disse. "As carnes, no segundo semestre, entram na entressafra, por causa do período de confinamento. E os produtores também têm reclamado que a ração está mais cara em função do milho e da soja”, acrescentou a coordenadora do IBGE.

 

Ela ressaltou ainda que os açúcares também tiveram alta expressiva, em função de problemas climáticos que prejudicaram a safra e reduziram a qualidade do produto. O açúcar cristal teve elevação de 3,90%, e o açúcar refinado, de 3,22%.

 

Por outro lado, os transportes, que registraram queda de 0,46% para -0,11%, ajudaram a conter a inflação. Além disso, a redução de 0,15% para -0,14% nos preços da gasolina, além das tarifas aéreas (de 3,20% para -5,95%), automóvel novo (de -0,05% para -0,37%) e usado (de -0,47% para -0,61%) influenciaram o movimento.

 

No ano, o maior impacto na formação do IPCA partiu das mensalidades escolares, que acumulam alta de 8,09%.

 

Eulina destacou que para o mês de setembro estão previstos reajustes da taxa de água e esgoto em São Paulo e no Rio de janeiro e de energia elétrica no Distrito Federal.

 

Regionalmente, o IPCA mais elevado foi observado na região metropolitana do Rio de Janeiro (0,47%) e o mais baixo, em Porto Alegre (0,14%). (da Agência Brasil, Thais Leitão)



Últimas

2020/10/20 » Pacote comercial abre caminho para acordo mais amplo, diz governo
2020/10/20 » SP:acordo da ANTT permite investimento de R$ 6 bi em malha ferroviária
2020/10/20 » Como fazer a amortização do FGTS pelo celular
2020/10/19 » Comércio eletrônico e delivery aumentam consumo de embalagens
2020/10/19 » Doria apresenta plano de retomada econômica de São Paulo
2020/10/19 » Produção brasileira de aço cresce 7,5% em setembro
2020/10/16 » Indicador antecedente da economia brasileira cresce 1,2% em setembro
2020/10/16 » Atividade econômica tem alta de 1,06% em agosto, diz Banco Central
2020/10/16 » Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo
2020/10/15 » Produção de motocicletas aumenta 13,1% em setembro
2020/10/15 » Ministério entrega à Presidência projeto de privatização dos Correios
2020/10/15 » Programa de suspensão de contrato e redução de jornada é prorrogado
2020/10/14 » Guedes defende reformas e rigor fiscal pós-pandemia a comitê do FMI
2020/10/14 » Caixa amplia margem do empréstimo consignado para 35%
2020/10/14 » Mercado eleva projeções para inflação e vê câmbio desvalorizado
2020/10/13 » FMI: mudança climática é ameaça significativa ao crescimento global
2020/10/13 » ONU pede que bancos deixem de financiar projetos de combustível fóssil
2020/10/13 » Custo da construção civil sobe 1,44% em setembro
2020/10/13 » Inflação oficial sobe para 0,64% em setembro
2020/10/09 » Conab prevê produção recorde de grãos na safra 2020/2021

Ver mais »