Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Inflação medida pelo IPC-S é a maior desde a terceira semana de maio 08/09/2011

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), ficou em 0,74%, na primeira prévia de setembro, o que representa um avanço de 0,34 ponto percentual sobre o resultado do encerramento de agosto (0,40%). É a maior taxa desde a terceira semana de maio de 2011, quando o índice ficou em 0,96%.

Cinco dos sete grupos pesquisados apresentaram índices de reajustes acima dos registrados no levantamento anterior. As maiores elevações ocorreram no grupo alimentação, com alta de 1,76% ante 0,80%. Entre os itens que ficaram mais caros estão as frutas (de 7,47% para 13,77%) e as hortaliças e os legumes (de -4,15% para -1,49%).

No grupo vestuário, a taxa passou de -0,33% para 0,70%, sob a influência da entrada nas lojas da nova coleção primavera-verão, com os preços das roupas subindo 0,88%, ante 0,33%. Em transportes, o índice aumentou de 0,11% para 0,16%, com reflexo do seguro facultativo para veículo (de -1,05% para -0,19%).

No grupo habitação, houve ligeira elevação de 0,38% para 0,39%, atribuída à alta na mão de obra para reparos na residência. Em educação, leitura e recreação, ocorreu um acréscimo de 0,25% ante 0,19%. Neste caso, a maior pressão foi provocada pela correção no preço da passagem aérea (de -0,94% para 2,30%).

Em compensação, foram constatados decréscimos nos grupos saúde e cuidados pessoais (de 0,46% para 0,42%), com recuo em artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,57% para 0,23%), e em despesas diversas, com queda de -0,10% ante -0,04%, puxada pelo item alimento para animais domésticos (de -2,02% para -2,92%).

Os cinco itens que mais influenciaram o avanço inflacionário são: limão (de 104,85% para 121,20%), aluguel residencial (de 0,72% para 0,86%), leite do tipo longa vida (de 2,66% para 3,28%), tomate (de 5,19% para 8,10%) e mamão da Amazônia (de 11,30% para 12,96%).

Em sentido inverso, os cinco itens com as maiores quedas de preços são: batata- inglesa (de -21,39% para -13,66%), alho (de -10,38% para -11,65%), sardinha-fresca (de -10,49% para -15,40%), cebola ( de -10,01% para -8,58%) e pescada-branca (de -11,93% para -12,26%). (da Agência Brasil, Marli Moreria)



Últimas

2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Ver mais »