Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
FMI alerta que emergentes não estão imunes aos impactos da crise econômica mundial 15/09/2011

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, alertou hoje (15) que os países em desenvolvimento, também chamados de emergentes, não estão imunes aos impactos da crise econômica internacional. Em tom de advertência, ela apelou para que os líderes mundiais adotem medidas de “reequilíbrio”, o que segundo ela, é uma necessidade de “interesse global” e também “nacional”.

“A falta de equilíbrio prejudica a todos, pois o nosso mundo está interconectado, qualquer pensamento de dissociação é uma miragem”, disse Christine, em entrevista coletiva, em Washington. “Se as economias avançadas sucumbirem à recessão, os mercados emergentes não vão escapar. Ninguém vai. O reequilíbrio é do interesse global, mas também é de interesse nacional.”

Segundo ela, os países emergentes avançam economicamente, porém ainda apresentam fragilidades. “Os países de baixa renda têm experimentado um crescimento razoável, mas permanecem altamente vulneráveis às perturbações econômicas a partir de outras partes do mundo”, disse.

A diretora-gerente do FMI elogiou o pacote econômico lançado pelo governo norte-americano, que tenta alavancar a economia do país e estimular a geração de empregos. “À luz da crise do emprego nos Estados Unidos, eu os parabenizo pelas recentes propostas do presidente Barack Obama para lidar com o crescimento [econômico] e o emprego”, disse.

Ao se referir aos líderes europeus, em especial aos que estão na Itália, na Grécia e na Espanha, que sofrem com a crise interna econômica, Christine recomendou rigor na adoção de medidas. “Na Europa, os governos devem tratar com firmeza seus problemas por meio de medidas sólidas e credíveis”, disse.

Ela pediu que a comunidade internacional se una na tentativa de ajudar os países da região denominada Chifre da África, que sofre com a seca e a fome, principalmente a Somália e o Quênia. “Há uma catástrofe devastadora. Esses países precisam da ajuda da comunidade internacional com urgência”, disse.

A diretora-gerente do FMI lembrou ainda dos conflitos que atingem o Oriente Médio e o Norte da África e que levarão a uma “transformação histórica”. Segundo ela, as pessoas buscam uma vida melhor e um trabalho decente. Ela ressaltou que o FMI reconheceu a legitimidade do Conselho Nacional de Transição da Líbia, comandado pela oposição, como capaz de conduzir o governo provisório no país. (da Agência Brasil, Renata Giraldi)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »