Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Fazenda diz que há espaço para reduzir juros mesmo com inflação elevada 21/09/2011

Apesar da alta da inflação nos últimos meses, o Ministério da Fazenda informou que há espaço para o Banco Central (BC) reduzir os juros até o fim do ano. A avaliação consta do boletim Economia Brasileira em Perspectiva, divulgado a cada dois meses pela Secretaria de Política Econômica, com estimativas para a economia.

De acordo com o boletim, o agravamento da crise econômica mundial pode criar condições para que os preços internacionais deixem de subir. Sem a pressão dos preços das commodities (produtos primários com cotação no mercado internacional), a inflação pode ceder nos próximos meses.

No fim do mês passado, o Banco Central reduziu a taxa Selic, que indica os juros básicos da economia, de 12,5% para 12% ao ano. No sistema de metas de inflação, adotado pelo Brasil, os juros são usados para controlar a alta dos preços. Taxas elevadas incentivam a poupança, desaceleram a economia, dificultam o crédito e reduzem a demanda. Taxas mais baixas, ao contrário, estimulam o crédito e o consumo. Mas o ministério da Fazenda acredita que é possível manter a trajetória de queda da inflação mesmo com taxas de juros mais baixas.

"Há espaço para a política monetária agir. Se houver continuidade da piora da crise global, o Banco Central está em condições de agir com política monetária expansionista [redução de juros], respondendo a uma possível 'virada' [retração] na economia", destacou o documento.

Segundo o relatório, durante a crise de 2008 e 2009, os juros brasileiros estavam, em média, em 11,3% ao ano. A taxa média recuou para 9,9% ao ano em 2010 e, este ano, subiu para 11,8%. Analistas de mercado estimam que a Selic fechará 2011 em 11% ao ano.

Em relação à inflação, a Fazenda aposta na queda do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). "Uma desaceleração nos índices [de inflação] é esperada para os próximos meses". E destaca a projeção do Banco Central de que a inflação anual ao consumidor deve terminar 2011 em 5,8%, "acima do centro da meta (4,5%), mas abaixo do limite superior de 6,5%", como ressaltou o documento.

As expectativas da Fazenda não combinam com as do setor financeiro. Segundo o Boletim Focus (pesquisa com analistas de mercado divulgada toda semana pelo Banco Central), as instituições financeiras preveem que o IPCA encerre o ano em 6,46%, muito próximo do teto de 6,5%. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2021/01/28 » Desemprego chega a 14,1% entre setembro e novembro de 2020
2021/01/28 » IGP-M acumula inflação de 25,71% em 12 meses, revela pesquisa da FGV
2021/01/28 » Tereza Cristina: transformação digital deve inserir agronegócio
2021/01/28 » Insuficiência da regra de ouro totaliza R$ 453,7 bilhões
2021/01/28 » Dívida pública pode alcançar até R$ 5,9 trilhões em 2021
2021/01/28 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 5,1% em 2020
2021/01/28 » Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020
2021/01/28 » Governo retira limite para financiar projetos de telecomunicações
2021/01/27 » Pandemia e fim dos auxílios podem reverter retomada econômica
2021/01/27 » Confiança na construção civil recua depois de seis altas, diz FGV
2021/01/27 » Confiança do consumidor cai pelo quarto mês consecutivo
2021/01/27 » Custo da construção sobe 0,93% em janeiro, anuncia a FGV
2021/01/26 » Micro e pequenas empresas têm até sexta-feira para aderir ao Simples
2021/01/26 » Queda na arrecadação foi “resultado excelente”, diz Guedes
2021/01/26 » Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020
2021/01/25 » Brasileiros acreditam que inflação será de 5,2% nos próximos 12 meses
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria
2021/01/25 » Como contribuir para o INSS por conta própria

Ver mais »