Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Discurso de Dilma na ONU indica continuidade do governo na política externa, diz professor da Universidade de Brasília 22/09/2011

A defesa da criação do Estado palestino e a cobrança de uma solução coordenada para a crise econômica global, manifestações apresentadas ontem (21) pela presidenta Dilma Rousseff no discurso da 66ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), indicam que a política externa brasileira definiu prioridades. A avaliação é do professor de relações internacionais da Universidade de Brasília (UnB) Antonio Jorge Ramalho.

Para o acadêmico, as linhas gerais do discurso representam continuidade em relação à política externa exercida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele, no entanto, diz ser possível notar o aprofundamento de certos aspectos, que sugerem maior foco nos debates diplomáticos em que o Brasil se envolverá daqui para a frente.

Segundo o professor, a promoção dos direitos humanos e o fortalecimento de estruturas globais de decisão como o G20, em que os países emergentes têm mais poder do que nas organizações tradicionais, devem ser os eixos principais da política externa do governo Dilma. “Não houve mudança de rumo em relação à política externa promovida nos últimos anos. Na verdade, passou a haver foi mais foco nos dois aspectos: a adoção de estruturas globais mais implementativas e a ênfase na questão dos direitos humanos”, diz Ramalho.

Em relação à defesa do Estado palestino, o especialista lembra que a criação havia sido defendida por Lula. “No ano passado, o Brasil e outros países da Unasul [União de Nações Sul Americanas] tinham tomado a decisão de defender o Estado palestino”, recorda. “A diferença é que, agora, o discurso está mais objetivo, menos baseado em generalidades.”

A nova postura na política externa, destaca o professor, pôde ser percebida com a eleição de José Graziano para a direção-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), ressalta o professor, é um exemplo de que a diplomacia brasileira passou a concentrar esforços em objetivos específicos. “Na verdade, as diretrizes do chanceler Antonio Patriota [ministro das Relações Exteriores] estão mais explicitadas. Hoje, é mais fácil saber quais são as batalhas em que o governo brasileiro vai se engajar”.

Em relação às gestões na economia internacional, Ramalho avalia que as iniciativas tomadas até agora pelo governo Dilma não trouxeram surpresas. “O Brasil tem reafirmado a necessidade de que os países mais avançados trabalhem no sentido de resolver seus problemas, sem transferir custo para economias emergentes do ajuste econômico”, declara.

Para ele, o pedido para que os países da Organização Mundial do Comércio (OMC) discutam a criação de mecanismos para impedir a desvalorização artificial de moedas para forçar exportações a emergentes é um exemplo de que a diplomacia brasileira está disposta a buscar soluções negociadas, sem recorrer a rompantes. (da Agência Barsil, Wellton Máximo)



Últimas

2021/01/28 » Custo industrial sobe 8,6% no terceiro trimestre de 2020
2021/01/28 » Juros para famílias caem ao menor nível histórico em 2020, diz BC
2021/01/28 » Confiança da indústria recua depois de oito meses em alta, diz FGV
2021/01/28 » Desemprego chega a 14,1% entre setembro e novembro de 2020
2021/01/28 » IGP-M acumula inflação de 25,71% em 12 meses, revela pesquisa da FGV
2021/01/28 » Tereza Cristina: transformação digital deve inserir agronegócio
2021/01/28 » Insuficiência da regra de ouro totaliza R$ 453,7 bilhões
2021/01/28 » Dívida pública pode alcançar até R$ 5,9 trilhões em 2021
2021/01/28 » Vendas de máquinas e equipamentos têm alta de 5,1% em 2020
2021/01/28 » Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020
2021/01/28 » Governo retira limite para financiar projetos de telecomunicações
2021/01/27 » Pandemia e fim dos auxílios podem reverter retomada econômica
2021/01/27 » Confiança na construção civil recua depois de seis altas, diz FGV
2021/01/27 » Confiança do consumidor cai pelo quarto mês consecutivo
2021/01/27 » Custo da construção sobe 0,93% em janeiro, anuncia a FGV
2021/01/26 » Micro e pequenas empresas têm até sexta-feira para aderir ao Simples
2021/01/26 » Queda na arrecadação foi “resultado excelente”, diz Guedes
2021/01/26 » Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
2021/01/25 » Pendências com o Simples atingem quase dois terços das empresas
2021/01/25 » Cepal: exportações da América Latina e do Caribe caíram 13% em 2020

Ver mais »