Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Cheque especial tem taxa menor em agosto, mas continua a modalidade de crédito mais cara para pessoa física 28/09/2011

Depois de registrar em julho o maior patamar dos últimos 12 anos, os juros do cheque especial caíram em agosto 0,5 ponto percentual. De acordo com dados divulgados ontem (27) pelo Banco Central (BC), a taxa média do cheque especial caiu de 188% ao ano em julho para 187,5% ao ano no mês passado.

As taxas do cheque especial continuam a ser as mais altas no crédito à pessoa física. Segundo o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, os juros são mais altos porque esse tipo de crédito é de curto prazo e destinado a quem não tem condições de tomar outros tipos de empréstimos. Ele recomendou aos consumidores que evitem usar o cheque especial.

A taxa média dos demais financiamentos a pessoas físicas, incluídas as operações de crédito consignado subiu em agosto e fechou o mês em 49,6% ao ano. Em relação a julho, a alta foi 0,9 ponto percentual.

Os juros para a aquisição de bens por pessoas físicas aumentaram de 30,6% ao ano em julho para 30,7% ao ano em agosto. Apesar disso, as taxas dos financiamentos de veículos apresentaram leve queda, de 29,5% para 29,4% ao ano de um mês para o outro.

Para os financiamentos a empresas, os juros caíram. A taxa média passou de 31,4% ao ano em julho para 30,9% ao ano em agosto. De sete tipos de operações de crédito para pessoas jurídicas pesquisadas pelo BC, cinco apresentaram redução nas taxas.

Maciel apresentou dados preliminares do comportamento dos juros em setembro. Até o último dia 12, as taxas médias estavam em 39,7% ao ano. Para as pessoas físicas, o juro registrado foi 46,7% ao ano, alta de 0,5 ponto percentual em relação a agosto. Para pessoas jurídicas, a taxa média atingiu 30,5% ao ano, retração de 0,4 ponto percentual.

Embora os dados apontem alta dos juros a pessoas físicas e queda dos juros cobrados de empresas, o chefe do Departamento Econômico do BC destacou que esses números ainda não indicam tendência para o comportamento dos juros em setembro. “Esses dados abrangeram apenas sete dias úteis, então precisam ser vistos com cuidado”, observou. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/09/25 » Projeto do Senai vai qualificar trabalhadores para a indústria 4.0
2020/09/25 » Primeiro leilão de imóveis públicos do Rio será em outubro
2020/09/25 » CMN amplia limite de renda para microcrédito a empresas
2020/09/24 » Custos industriais caem 1,5% no segundo trimestre
2020/09/24 » Ministro da Economia diz que reforma deve ter tributos alternativos
2020/09/24 » Contas externas têm saldo positivo de US$ 3,7 bilhões
2020/09/23 » Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020
2020/09/23 » CNI: atividade industrial segue em recuperação com alta do emprego
2020/09/23 » Indicadores recentes sugerem recuperação parcial da economia, diz BC
2020/09/22 » Brasil terá cota adicional na exportação de açúcar aos EUA
2020/09/22 » Estudo brasileiro aponta que covid-19 pode causar danos cerebrais
2020/09/22 » Mercado financeiro reduz projeção de queda da economia para 5,05%
2020/09/21 » Turismo: metade das operadoras vende viagens para novembro e dezembro
2020/09/21 » Covid-19: maioria dos estados segue sem aulas presenciais
2020/09/21 » O que é o Sistema S?
2020/09/18 » Lei Geral de Proteção de Dados entra em vigor
2020/09/18 » Confiança do empresário do comércio tem alta recorde em setembro
2020/09/18 » IBGE: desemprego na pandemia atinge maior patamar em agosto
2020/09/18 » CNI apresenta propostas para retomada da economia
2020/09/18 » Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Ver mais »