Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Cheque especial tem taxa menor em agosto, mas continua a modalidade de crédito mais cara para pessoa física 28/09/2011

Depois de registrar em julho o maior patamar dos últimos 12 anos, os juros do cheque especial caíram em agosto 0,5 ponto percentual. De acordo com dados divulgados ontem (27) pelo Banco Central (BC), a taxa média do cheque especial caiu de 188% ao ano em julho para 187,5% ao ano no mês passado.

As taxas do cheque especial continuam a ser as mais altas no crédito à pessoa física. Segundo o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, os juros são mais altos porque esse tipo de crédito é de curto prazo e destinado a quem não tem condições de tomar outros tipos de empréstimos. Ele recomendou aos consumidores que evitem usar o cheque especial.

A taxa média dos demais financiamentos a pessoas físicas, incluídas as operações de crédito consignado subiu em agosto e fechou o mês em 49,6% ao ano. Em relação a julho, a alta foi 0,9 ponto percentual.

Os juros para a aquisição de bens por pessoas físicas aumentaram de 30,6% ao ano em julho para 30,7% ao ano em agosto. Apesar disso, as taxas dos financiamentos de veículos apresentaram leve queda, de 29,5% para 29,4% ao ano de um mês para o outro.

Para os financiamentos a empresas, os juros caíram. A taxa média passou de 31,4% ao ano em julho para 30,9% ao ano em agosto. De sete tipos de operações de crédito para pessoas jurídicas pesquisadas pelo BC, cinco apresentaram redução nas taxas.

Maciel apresentou dados preliminares do comportamento dos juros em setembro. Até o último dia 12, as taxas médias estavam em 39,7% ao ano. Para as pessoas físicas, o juro registrado foi 46,7% ao ano, alta de 0,5 ponto percentual em relação a agosto. Para pessoas jurídicas, a taxa média atingiu 30,5% ao ano, retração de 0,4 ponto percentual.

Embora os dados apontem alta dos juros a pessoas físicas e queda dos juros cobrados de empresas, o chefe do Departamento Econômico do BC destacou que esses números ainda não indicam tendência para o comportamento dos juros em setembro. “Esses dados abrangeram apenas sete dias úteis, então precisam ser vistos com cuidado”, observou. (da Agência Brasil, Wellton Máximo)



Últimas

2020/02/21 » Polícia Rodoviária Federal inicia Operação Carnaval nesta sexta-feira
2020/02/21 » Escolas de samba movimentam economia durante todo ano no Rio
2020/02/20 » Banco Central injeta R$ 135 bilhões na economia
2020/02/20 » Programa para fazer Declaração do Imposto de Renda já está disponível
2020/02/20 » Prévia da inflação oficial fica em 0,22% em fevereiro
2020/02/19 » Comissão Europeia quer criar mercado único de dados
2020/02/19 » Confiança da indústria cai em fevereiro depois de 3 altas seguidas
2020/02/19 » Confiança da indústria cresce 0,7 ponto na prévia de fevereiro
2020/02/18 » Economia segue em processo de recuperação gradual, diz BC
2020/02/18 » FGV: economia brasileira cresceu 1,2% em 2019
2020/02/18 » Rodovias terão estabelecimentos regulamentados para motoristas
2020/02/17 » Associação alerta motoristas sobre riscos no trânsito durante carnaval
2020/02/17 » Estimativa do mercado financeiro para inflação cai para 3,22%
2020/02/17 » Começam a valer medidas da Caixa para estimular construção civil
2020/02/14 » Atividade econômica cresce 0,89% em 2019
2020/02/14 » Cerca de 25% dos desempregados procuram emprego há mais de dois anos
2020/02/14 » Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE
2020/02/13 » Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre
2020/02/13 » Setor de Serviços fecha 2019 com crescimento de 1%
2020/02/13 » Coronavírus: subida exponencial de mortes e casos. O que mudou?

Ver mais »