Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Com crise global, BC prevê atividade econômica mais moderada e menos riscos de inflação no Brasil 29/09/2011

A crise econômica externa contribuirá para intensificar e acelerar o processo de moderação da atividade econômica do Brasil, segundo análise do Banco Central (BC) apresentada no Relatório de Inflação, divulgado trimestralmente. Com o menor crescimento econômico, o BC considera que o “balanço de riscos” para a inflação é “mais favorável”.

De acordo com o relatório, a crise externa pode levar à redução das exportações e importações, à moderação do fluxo de investimentos, a condições de crédito mais restritivas e à piora nas expectativas de consumidores e empresários.

 

O BC destacou ainda que medidas de restrição ao crédito adotadas no final do ano passado e as elevações da taxa básica de juros, a Selic, até julho deste ano, também contribuem para a moderação da atividade econômica. Em agosto deste ano, por causa dos efeitos da crise externa, o Banco Central decidiu reduzir em 0,5 ponto percentual a taxa Selic, para 12% ao ano.

 

Apesar disso, a autoridade monetária observa que a atividade econômica no Brasil “continuará sendo favorecida pela demanda interna” por produtos e serviços. O consumo é estimulado pelo “vigor do mercado de trabalho e pela expansão do crédito, a despeito de alguma moderação na margem”.

 

No relatório, o BC também destaca que “o ambiente econômico internacional mais restritivo tende a permanecer por um período mais prolongado do que se antecipava”, estimulando a queda da inflação no Brasil e no mundo.

 

A previsão do BC é que, neste trimestre, encerra-se o ciclo de elevação da inflação acumulada em 12 meses. “A partir do quarto trimestre, o cenário central indica tendência declinante para a inflação acumulada em 12 meses, que passa a se deslocar na direção da trajetória de metas”.

 

No relatório divulgado hoje, o BC reduziu a projeção para o crescimento da economia este ano de 4% para 3,5%. Para a inflação, de acordo com o cenário de referência, houve aumento da estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), este ano, de 5,8% para 6,4%. A projeção para 2012 passou de 4,8%, no relatório anterior, para 4,7%.

 

A meta de inflação para 2011 e 2012 tem centro de 4,5%, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, o limite superior é 6,5% e o inferior, 2,5%.O BC só prevê inflação no centro da meta no segundo trimestre de 2013, permanecendo assim no terceiro trimestre. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »