Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
Tombini: inflação deve se aproximar do centro da meta em dezembro de 2012 29/09/2011

O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse hoje (29) em Curitiba que a inflação oficial deve ficar em 6,40% em 2011 e atingir algo entre 4,7% e 4,9% em 2012. “Estamos indo em direção ao centro da meta para dezembro de 2012”, disse Tombini em palestra no Congresso Nacional de Executivos de Finanças (Conef) na capital paranaense.

Tombini disse que os índices de Preços ao Consumidor no primeiro semestre deste ano foram influenciados pela forte elevação dos preços das commodities internacionais e por fatores climáticos, e ainda pelo aumento de preços administrados atípicos a exemplo de energia, combustíveis, água e telefone.

Entre as ações adotadas para combate da inflação, ele lembrou que o Banco Central aumentou a taxa de juros, visando a moderar o crescimento de demanda e conter a propagação do aumento de preços para outros setores. “Os efeitos desse processo de elevação dos juros ainda não foram plenamente absorvidos pela economia, mas são claros os sinais de moderação da demanda e de recuo da inflação corrente”, explicou.

A deterioração do ambiente econômico internacional, segundo Tombini, impõe um viés desinflacionário no horizonte que deve ser levado em consideração. Somam-se a isso as ações de política monetária adotadas até julho deste ano, cujos efeitos ainda não foram sentidos totalmente, bem como a revisão positiva do cenário fiscal.

Tombini admitiu que o crescimento da economia brasileira está moderado em consequência das políticas domésticas de retração ao crédito e do cenário internacional. O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que em 2010 ficou em 7,5%, este ano deve fechar em 3,5%.

A utilização da capacidade industrial brasileira, embora elevada e acima da meta histórica, já apresenta tendência de moderação, e, apesar da taxa de desemprego ainda baixa, o ritmo de criação de empregos formais vem apresentando queda nos últimos meses, disse Tombini aos executivos de finanças.

Ele reforçou que os riscos demandam ações rápidas das economias de primeiro mundo para estabilizar os mercados . “Seu baixo crescimento por um período prolongado aumentará as pressões desinflacionárias”. (da Agência Brasil, Lúcia Nórcio)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »