Câmara do Japão
Japonês
Buscar: OK

Tópicos

 

 

 

 

 

 

(426)Você está em:
  • Home »
    • Câmara
      • » Notícias

Notícias

Selecione datas para filtrar: a OK
BC prevê grande possibilidade de recessão nos países ricos 29/09/2011

O diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Carlos Hamilton Araújo, disse hoje (29) que há elevada possibilidade de recessão em economias maduras. Ao apresentar o Relatório de Inflação, ele reforçou que a expectativa é que o ritmo lento do crescimento econômico global se estenda por um período mais prolongado do que se imaginava.

Nesse cenário de menor crescimento econômico mundial, há também indicativos de que os preços das commodities (produtos primários com cotação internacional) fiquem mais comportados em 2011. “No ano passado, uma fonte grande de pressão inflacionária foram as commodities. O que temos observando é uma certa moderação. Há redução substancial das pressões vindas de commodities”, disse o diretor.

Para Araújo, a crise externa deve fazer com que os preços subam menos tanto no Brasil como nos outros países. “O cenário internacional introduz um viés desinflacionário para o Brasil”. Araújo explicou que a expectativa não é de deflação (queda dos preços), mas de inflação mais baixa.

A projeção de referência do BC para a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é 6,4% este ano e 4,7% em 2012. O BC espera que o pico da inflação anualizada ocorra ao final deste trimestre, com recuo a partir do fim do ano.

O diretor acrescentou que, para a economia brasileira, a expectativa é de crescimento moderado. O BC revisou a estimativa de expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, este ano, de 4% para 3,5%.

Araújo destacou ainda houve redução do descompasso entre oferta e demanda, moderação no crédito e no mercado de trabalho. De acordo com o diretor, os aumentos salariais também estão mais compatíveis com os ganhos de produtividade. "Entendo que qualquer ganho de salário real acima da produtividade, em algum momento, vai repercutir nos preços. O que temos observado com as informações que dispomos sobre convenções coletivas, acordos entre padrões e empregados, é um recuo nos ganhos reais de salários".

Segundo o diretor, o crescimento econômico no Brasil tem que ser compatível com a capacidade do país de investir. Na avaliação dele, será possível crescer de forma mais acentuada quando o país avançar em reformas estruturais e em ações que melhorem o ambiente de negócios e, assim, aumentar a taxa de poupança para investir. (da Agência Brasil, Kelly Oliveira)



Últimas

2019/09/19 » Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
2019/09/19 » Confiança de empresário industrial fica estável em setembro
2019/09/19 » Copom reduz Selic para 5,5% ao ano
2019/09/16 » Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
2019/09/16 » IGP-10 tem inflação de 0,29% em setembro
2019/09/16 » Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano
2019/09/13 » Aprovada, reforma das telecomunicações depende agora de regulamentação
2019/09/13 » Dispositivos digitais abrem novas possibilidades na saúde
2019/09/13 » Você tem direito a sacar o FGTS? Teste seus conhecimentos
2019/09/13 » Agências da Caixa ampliam horário nesta sexta para saques do FGTS
2019/09/12 » Indicador mostra alta de 2,6% no consumo de bens da indústria em julho
2019/09/12 » Abate de bovinos e suínos cresce no segundo trimestre no país
2019/09/12 » Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país, diz IBGE
2019/09/11 » Comércio varejista cresce 1% em julho
2019/09/11 » Código do Consumidor completa 29 anos; teste seus conhecimentos
2019/09/11 » Novas tecnologias digitais auxiliam produção no campo
2019/09/10 » Safra de grãos deve fechar 2019 com crescimento de 5,9% , diz IBGE
2019/09/10 » ANP inicia 1º ciclo da oferta permanente de blocos de petróleo e gás
2019/09/10 » Produção industrial recua em oito dos 15 locais pesquisados em julho
2019/09/10 » Governo aumenta previsão de crescimento da economia para 0,85%

Ver mais »